PUBLICIDADE
Topo

Cruzeiro

Cruzeiro negocia modelo para jogar no Mineirão e tenta fechar naming rights

Cruzeiro começou o ano no Mineirão, mas ainda não tem um acordo para jogar toda a temporada no estádio - Fernando Moreno/AGIF
Cruzeiro começou o ano no Mineirão, mas ainda não tem um acordo para jogar toda a temporada no estádio Imagem: Fernando Moreno/AGIF

Do UOL, em Belo Horizonte

17/04/2020 04h00

Tradicional casa do Cruzeiro, o Mineirão se tornou um palco incerto para os jogos da Raposa em 2020. Em sua maior crise financeira, o clube chegou a cogitar abandonar o Gigante da Pampulha em jogos de menor apelo, embora a preferência sempre tenha sido por permanecer no estádio. Agora, a atual diretoria tenta chegar a um denominador comum com a Minas Arena para fazer um contrato mais vantajoso. O sucesso das negociações pode passar também pelo acerto dos naming rights para o estádio.

Na reunião por videoconferência que os atuais gestores realizaram nesta semana, foi exposto a situação financeira do clube e outros temas importantes, dentre eles a negociação das dívidas com a Minas Arena, administradora do Mineirão. A cobrança feita ao clube celeste gira em torno de R$ 46 milhões, somando a dívida, multas e juros. No entanto, a gestora já aceita negociar R$ 19,3 milhões. Desse montante, R$ 10 milhões seriam depositados em juízo e o restante quitado em até dez anos. O Cruzeiro ainda teria dois anos de carência.

O que está travando as conversas no momento segue sendo o modelo para dividir os custos de operações do estádio. O Cruzeiro propõe arcar com 70% das despesas, como fazia até parte do ano passado. Já o Mineirão não considera o percentual satisfatório e quer que a Raposa fique com 100% dos custos a partir de agora.

De acordo com o Cruzeiro, o clube também está apalavrado com a Minas Arena para explorar os naming rights do estádio. Para formalizar o acordo, o clube precisa encontrar parceiros disposto a colocar dinheiro para expor suas marcas no estádio. Se isso acontecer, a Raposa teria direito a uma fatia dos lucros e utilizaria seu montante para quitar as pendências com o Mineirão.

Antes da paralisação do calendário nacional, o Cruzeiro optou por sair do Mineirão por causa da falta de um acordo. Isso aconteceu em 15 de março, quando recebeu o Coimbra e atuou como mandante no Independência depois de seis meses. Aquele foi o último jogo do Campeonato Mineiro antes da parada. A Raposa, porém, não descartava voltar ao Horto para encarar a URT, pela 10ª rodada, confronto que ainda não foi disputado.

Cruzeiro