PUBLICIDADE
Topo

Repórter da Globo revela ter se curado de coronavírus: "Não existe empate"

Marco Aurélio Souza, repórter esportivo da Globo, relatou luta contra a Covid-19 em texto  - Fabio Rocha
Marco Aurélio Souza, repórter esportivo da Globo, relatou luta contra a Covid-19 em texto Imagem: Fabio Rocha

Gabriel Vaquer

Colaboração para o UOL, em Aracaju (SE)

10/04/2020 11h09

Um dos principais repórteres esportivos da Globo, o jornalista Marco Aurélio Souza revelou em texto publicado no site esportivo da emissora, nesta sexta-feira (10) que contraiu coronavírus. Ao mesmo tempo em que fez seu relato, ele deu uma boa notícia: já está curado da doença.

Em um curto texto e parodiando uma partida de futebol, Marco Aurélio Souza explicou os primeiros sintomas e afirmou que ficou bastante assustado ao ter tosse e sensação de gripe. O susto aumentou dias depois, após perder a sensação de olfato e paladar.

"Como todas as competições estão paradas, eu já estava em casa há uma semana quando percebi os primeiros sintomas: tosse e aquela sensação de gripe. Mais alguns dias, e o susto foi maior: perdi olfato e paladar", afirmou o jornalista.

"De tanto ver e ouvir os especialistas ficava impossível não imaginar que era tudo obra do tal vírus. Os dias foram passando, a sensação de gripe sumiu, mas restavam a tosse e a falta de olfato e paladar", continuou ele.

O repórter seguiu as orientações do Ministério da Saúde e ficou em casa, sem ir ao hospital. Fez o teste na própria residência e ele deu positivo. "No início da segunda semana com os sintomas fiz o teste chamado PCR. No resultado lá estava em caixa alta: 'DETECTADO'. O vírus tinha feito 1 a 0", comparou Souza.

Mas por sorte, Souza relatou que após duas semanas, a tosse era fraca e os sentidos estavam voltando ao normal. Quatro dias depois, após notar o olfato e o paladar retornando, o jornalista fez um novo teste, que apontou sua cura da Covid-19, após o próprio corpo criar anticorpos. Ao fim da experiência, deixa uma mensagem para quem luta contra o vírus.

"Para tentar vencer, só existe uma estratégia. Ouça os médicos, porque ninguém sabe mais do que eles nessa horas, e aproveite a maior de todas as vantagens: a gente sempre pode jogar em casa. Quem arrisca uma saída está presenteando o vírus com o que ele mais deseja: a chance do contra-ataque. E o dele pode ser mortal. No jogo contra o novo coronavírus não existe empate", concluiu o jornalista.

Futebol