PUBLICIDADE
Topo

Uefa fala em limite de 3 de agosto para final da Champions League

Klopp, técnico do Liverpool, levanta troféu da Liga dos Campeões da última temporada - Ben Stansall/AFP
Klopp, técnico do Liverpool, levanta troféu da Liga dos Campeões da última temporada Imagem: Ben Stansall/AFP

Do UOL, em São Paulo (SP)

04/04/2020 17h52

Classificação e Jogos

A Uefa trabalha com datas para retornar o futebol, caso a pandemia de coronavírus seja controlada no continente europeu. Em entrevista concedida à emissora alemã ZDF, Aleksander Ceferin, presidente da entidade, estipulou que 3 de agosto é o limite para a disputa da decisão da Liga dos Campeões da Europa.

Para conseguir encaixar o calendário, em caso de retorno das atividades, a Uefa não descarta realizar as quartas de final e as semifinais em jogo único. A entidade até cogita ter partidas nos mesmos dias dos campeonatos nacionais, a fim de cumprir o prazo.

"Podemos jogar com o sistema atual ou fazer uma partida com sorteio para jogar em casa, fora ou campo neutro. Mas agora é só teoria. Em 3 de agosto deve se estar encerrada a Champions League, é uma situação extraordinária. Podemos jogar nas mesmas datas dos campeonatos locais, na mesma hora, deveremos ser flexíveis", afirmou o dirigente.

Apesar do plano inicial, Ceferin sentencia que a prioridade da entidade se encontra na "saúde dos jogadores". As partidas só ocorrerão com liberação médica completa e sob a responsabilidade dos governos nacionais. Dentro do quadro da pandemia, Espanha e Itália se encontram entre os países mais atingidos pela covid-19.

"Se for seguro e não terá perigo, não vejo problema para o futebol voltar. O esporte traz energia, necessitamos do esporte. As pessoas estão nervosas e ansiosas. O futebol é uma indústria séria e que se importa com as pessoas. As grandes estrelas do momento são os médicos e enfermeiras", declarou.

"Se as autoridades nos permitir, podemos fazer. Dependemos dos governos nacionais. De todas as formas é melhor com portões fechados e com televisão, o futebol é o que as pessoas querem", sentenciou.

Neste período de quarentena, a Uefa se sustenta com o fundo de 600 milhões de euros em caixa (R$ 3,4 bilhões). Parte deste valor será destinado à organização da Eurocopa, transferida para 2021 em virtude da pandemia.