PUBLICIDADE
Topo

Dirigente do Atlético critica Conmebol em meio à pandemia: "Sumiu"

Do UOL, em São Paulo

03/04/2020 14h17

Vice-presidente do Atlético-MG, Lásaro Cândido cobrou ações da Conmebol durante a crise no futebol causada pela pandemia por Coronavírus em conversas com jornalistas e cartolas no UOL Debate. O dirigente acredita que os times brasileiros precisam se unir para que as competições nacionais sejam priorizadas nesse momento. Para isso, ele propôs que a entidade que regulamenta a modalidade na América do Sul alivie o calendário.

"É uma boa oportunidade para discutirmos. A Conmebol se apropriou do calendário brasileiro. Vamos fazer uma linha de corte com a Conmebol. Ela não pode tomar conta do calendário brasileiro em prejuízo do Brasileirão. Os clubes que jogam a Libertadores não querem mexer agora, aqui, ali... Inflamos as competições Sul-americanas e, agora num momento de crise, o que aconteceu com a Conmebol? Sumiu. No momento de bonança eram bons amigos, na hora da tempestade o guarda-chuva não serve para todos. Eu acho assim: É uma boa hora para colocarmos a Conmebol na parede. Privilegiar especialmente o Campeonato Brasileiro, Séries B, C, D, e a Libertadores precisa de espaço, mas não tomar conta. E está tomando conta", opinou o mandatário do Atlético-MG.

Diretor de futebol com passagens por Grêmio, Vasco, Flamengo e atualmente no São Caetano, Paulo Pelaipe recordou uma pequena ação tomada pela Conembol: a antecipação do prêmio para os times que estão classificados na primeira fase da Copa Libertadores.

"Ela fez um pequeno movimento, perto de tudo que ganha com clubes brasileiros, fora taxa e cartões, mas ela fez um adiantamento de cada clube de 9 milhões para quem está na primeira fase da Libertadores. É migalha, mas é um adiantamento", ponderou o dirigente.

Apesar disso, essa ação específica ainda não convenceu Lásaro Cândido: "Ela apenas antecipou o pagamento. Tem que dar algo material. Está lá cheia de dinheiro. Basta pegar as competições e ver quais os valores pagos aos clubes e depois do escândalo o que houve. A Conmebol tem uma estrutura enorme. Temos que rever o modelo, privilegiar o Brasileirão. Nosso torcedor adora a competição, mas temos que pensar na nossa realidade. Não dá para classificar oito clubes para Libertadores, Sul-Americana, e ocupa o calendário todo ano. Não pode", destacou.

Futebol