PUBLICIDADE
Topo

Juca: "Não tenho esperança que dirigentes achem uma solução inteligente"

Do UOL, em São Paulo

02/04/2020 04h00

Classificação e Jogos

Com as competições paradas devido à pandemia do novo coronavírus e sem qualquer previsão de uma normalidade para a bola voltar a rolar, há a expectativa de como a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) agirá para resolver seu calendário quando for possível o retorno.

No podcast Posse de Bola #26, Juca Kfouri afirma não esperar nenhuma solução elogiável por parte dos dirigentes que comandam o futebol brasileiro e também os presidentes de federações estaduais.

"Eu tenho certeza absoluta que a CBF fará aquilo que as federações quiserem porque são as federações que elegem o presidente da CBF. Então, eu acho que a gente marchará para alguma solução em que os estaduais, de fato, vão ter fim, vão continuar. Provavelmente vão encavalar jogos, é possível que queiram mexer na fórmula do Brasileirão, não tenho nenhuma esperança, porque baseado na história, não há porque confiar que achem uma solução inteligente e razoável", afirma Juca Kfouri (disponível no vídeo acima a partir de 1:06:15).

O jornalista também compara a postura da entidade que rege o futebol brasileiro com a da Associação Argentina de Futebol (AFA), que fez um vídeo pedindo para que a população fique em casa durante o coronavírus, enquanto a CBF manteve seu silêncio.

"A CBF é tão imóvel que eu vou te dar dois exemplos. Enquanto a AFA fez um belíssimo de um anúncio 'Nadie Sale', mandando as pessoas ficarem em casa e dizendo que você só ganha campeonatos unido e em equipe, a CBF está quieta. E a CBF, eu não sei se você sabe, eu vou contar uma novidade para vocês, esse secretário [Walter Feldman] menor aludido aí pelo Mauro, que é médico, ele tem uma paixão na vida médica dele, a vitamina D. E a vitamina D, está comprovado, quem está bem abastecido de vitamina D no seu organismo, está menos exposto ao coronavírus. Tem mais poder de imunidade em relação ao coronavírus. Nem isso o cidadão está falando", afirma Juca.

"Realmente é uma tristeza você olhar o panorama dos nossos cartolas, que não é diferente do panorama dos nossos ministros, exceção feita eventualmente, embora irregular, com altos e baixos, ao ministro [Luiz Henrique] Mandetta [da Saúde], que está fazendo o papel que o Telê Santana fez no São Paulo. O Telê confrontava o presidente Mesquita Pimenta até na hora de viajar, porque a cartolagem ia na primeira classe ou de classe executiva, e os jogadores que iam jogar no Japão o Mundial iam na classe econômica e o Telê denunciava. E o Pimenta não podia demiti-lo", completa.

Posse de Bola: Quando e onde ouvir?

A gravação do Posse de Bola está marcada para segundas-feiras às 9h, sempre com transmissão ao vivo pela home do UOL ou nos perfis do UOL Esporte nas redes sociais (YouTube, Facebook e Twitter). A partir de meio-dia, o Posse de Bola estará disponível nos principais agregadores de podcasts.

Você pode ouvir o Posse de Bola em seu tocador favorito, quando quiser e na hora que quiser. O Posse de Bola está disponível no Spotify e na Apple Podcasts, no Google Podcasts e no Castbox . Basta buscar o nome do programa e dar play no episódio desejado. No caso do Posse de Bola, é possível ainda ouvir via página oficial do UOL e YouTube do UOL. Outros podcasts do UOL estão disponíveis em uol.com.br/podcasts.

Futebol