PUBLICIDADE
Topo

Dupla do Fox Sports se estranha após enquete sobre J. Jesus na seleção

Paulo Lima, comentarista da Fox Sports - Reprodução/Fox
Paulo Lima, comentarista da Fox Sports Imagem: Reprodução/Fox

Colaboração para o UOL, em São Paulo

10/03/2020 11h19

Uma enquete sobre a possível ida de Jorge Jesus, técnico do Flamengo, para a seleção brasileira tumultuou o Bom Dia Fox desta terça-feira. Isso porque o comentarista Paulo Lima, contrário a contratação do português pela CBF, não gostou de uma colocação feita pelo apresentador Luciano Calheiros.

Defendendo que J. Jesus precisa trabalhar mais no futebol brasileiro antes de ser cotado para assumir a seleção, Paulo Lima se irritou com uma comparação feita por Calheiros. Citando a primeira passagem de Dunga pelo Brasil, o apresentador afirmou que o ex-jogador não tinha experiência quando assumiu a seleção. O comentarista, no entanto, destacou a liderança do capitão do tetra.

Discordando do posicionamento do colega, Calheiros perguntou se, na visão do comentarista, Cafu, capitão do penta, seria uma opção melhor do que o técnico do Flamengo para assumir a seleção, iniciando a discussão.

"Eu acho que não, porque por um trabalho de menos de um ano no futebol brasileiro, você não pode classificar ele (Jorge Jesus) como um técnico para a seleção brasileira imediato. Precisa trabalhar mais no futebol brasileiro, ter uma longevidade, assim como outros técnicos", opinou Lima.

"Não foi assim com o Dunga? O Dunga estreou como técnico na seleção", recordou Calheiros.

"Mas foi um ex-jogador de seleção brasileira, conviveu com a seleção brasileira, foi capitão na conquista do tetra, tinha um histórico de liderança dentro do futebol brasileiro. Assim como o Paulo Roberto Falcão também teve essa experiência...", argumentou o comentarista.

"Pera aí! Desculpa, vou te botar na parede agora, Paulo Lima. Então, hoje, nessa sua linha de raciocínio, o Cafu seria um nome melhor do que o Jorge Jesus?", discordou o apresentador

"Não. Você está enganado", rebateu Paulo Lima.

"Ele nunca foi técnico e já foi capitão", reiterou o Luciano.

"Em relação à sua observação, enfim, respeito, mas...", iniciou o comentarista

"Não é isso que você falou agora?", perguntou Calheiros.

"Não, você interpretou da sua maneira. A sua maneira de colocar a questão do Cafu, se for pensar assim, a gente vai colocar quem sabe o falecido capitão Carlos Alberto Torres como técnico. A questão do Dunga é uma questão de liderança. Você perguntou do Jorge Jesus... Eu acho que o Dunga, como liderança da seleção brasileira, ele teve a chance como ex-jogador, e não foi bem nas duas oportunidades que teve. Agora, você acha que um técnico que nunca foi técnico da seleção de Portugal, que chega no futebol brasileiro com menos de um ano de comando pelo Flamengo, sucesso que tem, absoluto... Já se entrega na mão dele o comando seleção brasileira? Por quê? Não entendi bem a sua colocação do Cafu, mas respeito", falou Lima.

"Então você se expressou errado", observou Calheiros.

"Não, não. Você que entendeu errado", retrucou Paulo.

Na sequência, Calheiros repetiu todo o argumento de Paulo Lima, mas não convenceu o comentarista, que manteve o debate.

"Se essa é a sua imaginação fértil, eu não discuto. Para mim, não. Completamente diferente, até porque a liderança do Cafu é completamente diferente da liderança do Dunga. O Dunga era muito mais líder. O Cafu era um capitão, ao meu ver, sem a experiência que o Dunga tinha. (...) Então você entregaria o comando da seleção brasileira para o Jorge Jesus?", questionou Lima.

"Hoje, se o Tite saísse, ele é o mais indicado", respondeu o apresentador.

"Eu respeito a sua opinião, assim como você deve respeitar a minha", pediu o comentarista.

"Mas eu estou respeitando", disse Calheiros, que, na sequência, pediu para a produção do programa recuperar a resposta do colega à enquete. Minutos depois, o trecho foi ao ar.

Incomodado com a atitude do apresentador, Paulo Lima criticou a postura 'incisiva' e 'irônica' de Luciano em relação ao tema. Calheiros voltou a explicar como interpretou a fala do colega a respeito do técnico português, mas sem sucesso.

"Você pode botar quantas vezes você quiser, você pode se colocar da maneira que você quiser, mas você não vai botar palavras na minha boca", disparou Lima, que seguiu:

"Você está defendendo uma tese que é sua. Você quer o Jorge Jesus na seleção brasileira, eu não quero. Ponto. Acabou. Não estou entendo o porquê desta sua maneira tão incisiva e irônica..."

"Não estou sendo irônico. Eu não fiz voltar, eu quero esclarecer, porque eu me senti atingido quando você fala que eu não respeitei a sua opinião", explicou-se Calheiros.

"A sua colocação é pertinente dentro do seu ponto de vista. Quando eu falei em respeitar a sua opinião, assim como eu quero que respeite a minha... Independentemente de você ser o apresentador do programa e ter interferência na linha editorial do programa, eu acho que isso é desnecessário. Quer voltar? Volta. Pode voltar 30 vezes que eu não vou mudar a minha opinião, independentemente do seu argumento. Você levantou um assunto que interessa a você. Só pode ser. Você está querendo forçar uma situação de que eu estou sendo contra o Jorge Jesus na seleção brasileira", concluiu o comentarista.

Sem se entender com o comentarista, Luciano Calheiros perguntou se o colega tinha mais alguma ponderação sobre o tema e, na sequência, chamou o intervalo.

UOL Esporte vê TV