PUBLICIDADE
Topo

Gamarra visita Ronaldinho: "Estava cercado de crianças, dando autógrafos"

Marinho Saldanha/UOL
Imagem: Marinho Saldanha/UOL

Brunno Carvalho

Do UOL, em São Paulo

08/03/2020 15h27

O ex-zagueiro Gamarra visitou Ronaldinho, hoje (8), no complexo penitenciário Agrupación Especializada, em Assunção, capital do Paraguai. Logo na chegada, o paraguaio disse ter se surpreendido com a receptividade que o brasileiro estava tendo das crianças no dia de visita no presídio.

"Quando cheguei onde ele estava, estava cheio de crianças, dando autógrafo para as crianças. É uma das grandes referências do futebol mundial. E mais ainda agora que tenho um neto de seis anos que ama ele. Ele foi com a gente lá e o menino ficou impactado, com a boca aberta. Um monte de criança visita ele lá, todo mundo adora o Ronaldinho", disse, em contato com a reportagem.

Ronaldinho e seu irmão Assis estão presos preventivamente desde a noite de sexta-feira após entrarem no Paraguai com documentos falsos. Em entrevista coletiva, o advogado dos dois Sergio Queiroz chamou a detenção de "ilegal".

"Ele está bem. Falar que está ótimo é difícil, porque está privado da liberdade, que é a coisa mais sagrada que tem um ser-humano, ninguém vai estar 100% ótimo. Mas eu o encontrei, conversamos bastante, está sendo muito bem tratado, estão cuidando muito bem dele onde ele está", continuou Gamarra.

O ex-zagueiro disse não ter uma amizade com Ronaldinho, mas decidiu visitá-lo pela admiração que tinha nos tempos de jogador. "Éramos colega de futebol e sempre existe um respeito, uma admiração entre colegas. Eu o conheci nas Eliminatórias e acompanhei muito o futebol. Conversamos muito, falamos pouco do caso dele, mas ele está otimista que vai resolver rapidamente e retornar para o Brasil".

Por último, Gamarra criticou as imagens de Ronaldinho e Assis algemados indo prestar depoimento. "Eu fiquei emocionado e chocado quando vi na televisão ele algemado. Acho que não precisavam fazer isso, porque ele é um cara conhecido, amado no mundo todo. Ainda que tenha cometido algum erro, não era necessário. Aqui tem um monte de gente que roubou muito e muitas vezes vai para a delegacia para depor sem algemas, sem nada. Vê-lo assim impactou muito a mim e o pessoal todo que ama futebol".

Entenda o caso

Detido no hotel com Assis

Ronaldinho e Assis acabaram detidos pela Polícia paraguaia na noite de quarta-feira (04) na suíte de um hotel. A convite para dois eventos no país vizinho, o ex-jogador do Barcelona e o irmão receberam passaportes e registros civis (equivalente ao RG brasileiro) paraguaios. Nos documentos, o ex-camisa 10 da seleção era identificado como paraguaio naturalizado.

Por que não abordaram Ronaldinho no aeroporto?

O reconhecimento dos documentos falsos de Ronaldinho e Assis ocorreu ainda no aeroporto paraguaio. Porém, diante de todo o cenário de presença de público para a chegada do ex-jogador, as autoridades decidiram postergar a abordagem para o período da noite, já no hotel e minimizando as chances uma confusão com fãs do antigo astro do Barcelona.

Quem foi preso?

Antes de Ronaldinho, Assis e Dália, Wilmondes Sousa Lira, brasileiro de 45 anos, foi preso pela polícia ainda no início das investigações sob a acusação de fornecer os passaportes. Outra mulher com suposta relação com o caso também foi detida pelas autoridades.

Depoimento longo

Ronaldinho e Assis permaneceram boa parte da última quinta-feira (05) no Ministério Público para prestar esclarecimentos. Os dois chegaram pela manhã e só saíram no fim da tarde, sem responder a totalidade de perguntas sobre o caso.

Caso rende renúncia

O caso Ronaldinho provocou a renúncia de Alexis Penayo, diretor do Departamento de Migrações do Paraguai. Penayo alegou falta de apoio. Em nome do ministro Euclides Acevedo, o Ministério do Interior paraguaio criticou publicamente o departamento pela falta de posição assim que Ronaldinho desembarcou no país.

Futebol