PUBLICIDADE
Topo

Seleção "volta no tempo" com sete jogadores que atuam no Brasil

Gabigol é o grande nome do momento no futebol brasileiro e recebeu nova chance com Tite - Thiago Ribeiro/AGIF
Gabigol é o grande nome do momento no futebol brasileiro e recebeu nova chance com Tite Imagem: Thiago Ribeiro/AGIF

Bruno Grossi e Pedro Lopes

Do UOL, em São Paulo

06/03/2020 18h00

A convocação da seleção brasileira para as duas primeiras rodadas das Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022 foi um passo de reaproximação com clubes e torcedores do país. Afinal, sete atletas que atuam no Brasil foram chamados, um número bem maior do que o das listas mais recentes — foram só três na conquista da Copa América — e mais próximo de uma realidade do passado.

Os representantes de clubes brasileiros nesta convocação são os goleiros Weverton (Palmeiras) e Ivan (Ponte Preta), o lateral-direito Daniel Alves (São Paulo), o meia Everton Ribeiro (Flamengo) e os atacantes Everton Cebolinha (Grêmio), Bruno Henrique e Gabriel (Flamengo).

Não é a primeira vez, entretanto, que Tite monta uma lista com essa quantidade de jogadores que atuam no Brasil. Seu primeiro chamado, em 2016, já durante as Eliminatórias, também contava com sete "brasileiros": Marcelo Grohe (Grêmio), Rodrigo Caio (São Paulo), Fagner (Corinthians), Lucas Lima (Santos), Rafael Carioca (Atlético-MG), Gabigol (Santos) e Gabriel Jesus (Palmeiras).

A lista que abriu as Eliminatórias para a Copa de 2018, ainda sob o comando de Dunga, foi outra com sete representantes de clubes brasileiros: Jefferson (Botafogo), Marcelo Grohe (Grêmio), Alisson (Internacional), Gil (Corinthians), Elias (Corinthians), Renato Augusto (Corinthians) e Lucas Lima (Santos).

- Arnaldo Ribeiro: Tite se rende às estrelas, mas não ao futebol do Flamengo

Nesses dois casos anteriores, o que se vê é que alguns desses "brasileiros" pouco duraram na seleção. Gabriel Jesus já estava vendido ao Manchester City quando foi chamado, mas chegou à Copa do Mundo depois, bem como Fagner e Renato Augusto. Alisson foi a grande aposta de Dunga. Já nomes como Gil, Rodrigo Caio e Lucas Lima viveram de chances esporádicas e nunca se firmaram.

Na lista atual, há algumas ponderações a se fazer. Entre os goleiros, só foi possível ter dois representantes do Brasil porque Alisson se machucou em treino do Liverpool. Entre os jogadores de meio e ataque, a suspensão de Gabriel Jesus na primeira rodada das Eliminatórias abriu caminho para mais uma das vagas 100% brasileiras.

Seleção Brasileira