PUBLICIDADE
Topo

Após cobrar PSG por ritmo de jogo, Neymar dá "tiro no pé" com expulsão

Com Neymar expulso no fim, PSG vence o Bordeaux em jogo de sete gols - Benoit Tessier/Reuters
Com Neymar expulso no fim, PSG vence o Bordeaux em jogo de sete gols Imagem: Benoit Tessier/Reuters

Pedro Lopes

Do UOL, em São Paulo

24/02/2020 04h00

Depois da derrota por 2 a 1 diante do Borussia Dortmund na última terça-feira, pela Liga dos Campeões, Neymar criticou o PSG. O brasileiro considerou que a decisão de poupá-lo nos quatro jogos que antecederam o confronto decisivo, devido a uma contusão na costela, foi excessiva e o deixou sem ritmo de jogo. Depois de cobrar o clube por mais tempo em campo, o camisa 10 deu um "tiro no pé" com a expulsão na partida de ontem contra o Bordeaux já nos acréscimos do segundo tempo em uma vitória por 4 a 3.

O mês de novas polêmicas para o atacante começou no dia 2 de fevereiro, com sua festa de aniversário. A comemoração irritou o treinador Thomas Tuchel e deixou a diretoria do PSG decepcionada, por ter sido realizada em meio à disputa do Campeonato Francês e da Copa da França, em um intervalo de três dias entre duas partidas. Logo depois da celebração, Neymar ficou ora de confronto com o Nantes, pelo Francês.

A partir daí, o brasileiro não voltou mais a campo até a última terça, preservado de mais três partidas, contra sua vontade. O UOL Esporte publicou sobre como o brasileiro desejava ter ido a campo nesse período, com a crença de que tinha plenas condições de jogo. Diante do Borussia Dortmund, Neymar sofreu com a falta de ritmo e reclamou abertamente da estratégia do clube depois da derrota.

"Tinha uma fissura na costela, mas não era nada que me impedisse de jogar. No jogo contra o Lyon eu já vim preparado para jogar, aí adiaram, adiaram de novo e aí adiaram novamente. Eu entendo o medo, porque em dois anos eu fiquei fora das oitavas, eu respeito, mas não pode ser assim. Para mim foi muito difícil jogar um jogo assim, intenso. Acho que se tivesse em condições físicas melhores, com certeza faria um jogo muito melhor".

A polêmica chegou até Tuchel, que minimizou o ocorrido mas afirmou que seu principal jogador iria, a partir dali, ter uma sequência para adquirir ritmo de jogo de olho a partida de volta contra o Dortmund, no dia 11 de março.

"Nós tomamos a decisão e não vale ficar falando depois... Ah, erramos. Você tem que confiar na decisão que é a clara. Todo jogador quer Neymar jogando todos jogos, mas nossa responsabilidade é essa de fazer o melhor para jogador e o clube. Agora ele tem a possibilidade de jogar, e vai fazer isso para ganhar capacidade", afirmou.

Foi na esteira dessa discussão que Neymar entrou em campo diante do Bordeaux ontem. A sua atuação foi boa, mas o primeiro cartão amarelo veio por reclamação com a arbitragem, ainda no primeiro tempo. Já nos acréscimos do segundo, a expulsão após uma entrada dura pode colocar por água abaixo a ideia de adquirir o melhor condicionamento.

O próximo jogo do time será no dia 29, próximo sábado, diante do Dijon. Se for suspenso por uma partida, como deve acontecer, Neymar voltaria a atuar apenas no dia 4 de março, daqui a dez dias, contra o Lyon, pelas semifinais da Copa da França. Essa partida seria a uma semana do encontro decisivo contra a equipe alemã; além dela, o camisa 10 teria apenas o embate contra o Estrasburgo no dia 7 de março para se preparar.

No total, um prazo de dez dias sem jogar e apenas dois confrontos para atingir a melhor forma para o compromisso agora mais importante do PSG na temporada. Depois de criticar o próprio clube abertamente, Neymar pode ser o próprio culpado por impedir que ele próprio tenha a tão desejada sequência.

Irritado, o brasileiro deixou o Parc des Princes rapidamente após a vitória sobre o Bordeaux. Horas depois, postou no Instagram um encontro com a atriz e youtuber norte-americana Liza Koshy e ainda não se manifestou sobre a expulsão.

Futebol