PUBLICIDADE
Topo

Vasco envia carta à Conmebol por racismo sofrido na Bolívia

Jogadores do Vasco sofreram insultos raciais na partida contra o Oriente Petrolero, na Bolívia - Foto: Rafael Ribeiro/Vasco
Jogadores do Vasco sofreram insultos raciais na partida contra o Oriente Petrolero, na Bolívia Imagem: Foto: Rafael Ribeiro/Vasco

Bruno Braz

Do UOL, no Rio de Janeiro

20/02/2020 22h45

O Vasco levou à frente o episódio de racismo sofrido pelos atletas Juninho e Alexander ontem (19), em Santa Cruz de La Sierra (BOL), no empate em 0 a 0 com o Oriente Petrolero que garantiu a classificação na Copa Sul-Americana. Segundo o diretor-executivo de futebol, André Mazzuco, o clube enviou uma carta de repúdio à Conmebol e também contestou o cartão amarelo dado ao zagueiro Ricardo Graça simplesmente por ele ter reclamado das injúrias raciais com a arbitragem.

"Tomamos todas as medidas. Nosso gerente, o André (Souza), no mesmo momento contatou o delegado da partida, antes mesmo de finalizar a súmula. E hoje nós enviamos um termo de contestação justamente para reforçar a nossa posição, e para contestar o cartão amarelo sofrido pelo nosso atleta. A gente repudia veementemente", declarou no desembarque da delegação no Rio de Janeiro.

Mazzuco também comentou as declarações do delegado da partida ao "O Globo", que minimizou o episódio e o considerou "pequeno":

"Primeiro é importante frisar que é inadmissível ter uma medida de muito ou pouco em caso de injúria racial. Isso não me entra na cabeça, falar que foi muita ou pouca. Isso não existe. Para nós, o ato desrespeitou os nossos atletas. É um problema social. Ela anda doente. A gente não luta para preservar valores, mas para resgatar valores. Essa é a grande verdade".

Os jogadores que sofreram diretamente as injúrias raciais foram orientados a não dar entrevistas no desembarque do Vasco, mas o staff do volante Juninho se posicionou no Instagram. Veja abaixo:

Vasco