PUBLICIDADE
Topo

Sánchez revela "briga grande" após empate; Uruguaio nunca pensou em sair

Carlos Sanchez do Santos disputa bola em partida contra a Ferroviária pelo campeonato Paulista - Thiago Calil/AGIF
Carlos Sanchez do Santos disputa bola em partida contra a Ferroviária pelo campeonato Paulista Imagem: Thiago Calil/AGIF

Eder Traskini

Colaboração para o UOL, em Santos

18/02/2020 10h23

O Santos empatou por 0 a 0 com a Ferroviária na noite do último domingo e o clima no vestiário, como era de se esperar, não foi nada bom. O meia Carlos Sánchez, um dos capitães do time, revelou que houve uma "briga grande" ainda no estádio.

O Peixe foi dominado pela equipe do interior durante os 90 minutos da partida e esteve muito mais próximo da derrota do que de sair vitorioso.

"A briga no estádio foi grande, porque foi um jogo onde não pudemos demonstrar o que havíamos treinado. Foi difícil. Primeiro tempo muito ruim. Não encontramos a forma de poder jogar da maneira que vínhamos jogando. Temos que buscar o melhor para que nosso time não se sinta tão fraco como se sentiu nesse jogo", afirmou o uruguaio em entrevista coletiva.

O camisa 7 santista ainda explicou que seus agentes chegaram a um acordo com o Santos em relação à dívida que o Peixe tinha com o atleta. Ele afirmou que não soube do interesse do Grêmio em contar com ele no mercado da bola e cravou que nunca pensou em deixar o clube.

"Não tinha essa informação (Grêmio). Estive sempre ligado e focado no Santos. Queria ficar aqui, como estou agora. Cheguei a um acordo com o Santos. Nunca comentei sobre a dívida do clube para não prejudicar o Santos. Sempre trabalhei e pensei no Santos. Nunca pensei em sair. Tenho contrato e quero ficar. Pode, sim, dizer que o Sánchez não sai", brincou o meia ao ser questionado sobre as brincadeiras do Peixe com o "fico" de Soteldo.

O Santos volta a campo neste sábado, às 16h30, para enfrentar o Ituano, no estádio Novelli Júnior, pela sétima rodada do Campeonato Paulista.

Santos