PUBLICIDADE
Topo

Cruzeiro repudia declaração de ex-presidente sobre Dedé:"falta de respeito"

Dedé não quer ficar no Cruzeiro e obteve uma licença de 30 dias dos treinamentos na Toca da Raposa - Vinnicius Silva/Cruzeiro
Dedé não quer ficar no Cruzeiro e obteve uma licença de 30 dias dos treinamentos na Toca da Raposa Imagem: Vinnicius Silva/Cruzeiro

Enrico Bruno

Do UOL, em Belo Horizonte

18/02/2020 10h56

O Cruzeiro emitiu uma nota oficial repudiando as declarações de Wagner Pires de Sá, ex-presidente do clube, sobre o zagueiro Dedé. No início desta semana, um vídeo se espalhou nas redes sociais em que o ex-mandatário celeste criticou o defensor de 31 anos, dizendo que o zagueiro ganhou milhões de reais sem entrar em campo, e que hoje o clube não consegue vendê-lo por estar "todo fodido".

Em nota, o Cruzeiro condenou o comportamento de Wagner Pires e informou que o ex-presidente não fala em nome do clube e nem tem respaldo técnico para fazer essa declaração.

"O presidente em exercício, José Dalai Rocha, e o Núcleo de Gestores que administra o Cruzeiro Esporte Clube vêm a público manifestar repúdio às declarações do ex-presidente Wagner Pires de Sá divulgadas nas redes sociais nesta segunda-feira, 17, sobre o atleta Dedé, em absoluta falta de respeito ao jogador que defende o Clube.

Obviamente, o ex-presidente, que renunciou ao cargo em dezembro, não fala em nome do Cruzeiro Esporte Clube. Além disso, a opinião por ele externada não tem nenhum respaldo médico, pois se Dedé está apto a jogar pelo Cruzeiro, pode atuar em qualquer clube do mundo", publicou o Cruzeiro, em nota no seu site oficial.

Entenda o caso

Na última segunda-feira (17), um vídeo com Wagner Pires se espalhou pelas redes sociais. Nele, o ex-presidente aparece, sem saber que estava sendo filmado, dentro de um carro conversando com um motorista. Em um determinado momento, Wagner cita o zagueiro Dedé e faz fortes críticas ao defensor por causa do passado de lesões.

"O Dedé ficou um ano e meio parado, ganhando R$ 800 mil, o Cruzeiro gastou... Não é igual INSS não. Ah, o cara está doente, vai para o INSS, ganha salário mínimo. Não, o time paga. Ganhou mais de R$ 50 milhões sem jogar. E se vender, não vende, primeiro porque ele é todo fodido e não passa no exame médico. Futebol brasileiro é isso", disparou Wagner.

No Cruzeiro desde 2013, Dedé teve graves lesões nos joelhos a partir de novembro de 2014, ficando sem entrar em campo durante toda a temporada de 2015. Em 2016 e 2017, o zagueiro fez apenas 13 jogos, voltando a atuar com mais frequência somente a partir de 2018. Hoje, Dedé ainda pertence ao Cruzeiro, mas não aceitou a readequação salarial e ainda procura outro clube para poder jogar. No dia 10 de fevereiro, a diretoria concedeu 30 dias para o zagueiro resolver problemas particulares no Rio de Janeiro. O jogador não tem intenção de voltar a vestir a camisa do Cruzeiro e seus empresários seguem procurando um novo destino para o atleta.

Cruzeiro