PUBLICIDADE
Topo

Quem sobe e quem desce na seleção brasileira após a classificação olímpica

Matheus Cunha e Bruno Guimarães são destaques da seleção no Pré-Olímpico - Lucas Figueiredo/CBF
Matheus Cunha e Bruno Guimarães são destaques da seleção no Pré-Olímpico Imagem: Lucas Figueiredo/CBF

Danilo Lavieri

Do UOL, em Bucaramanga (Colômbia)

10/02/2020 12h00

Classificação e Jogos

A disputa do pré-olímpico fez a comissão técnica da seleção brasileira observar de perto jogadores que agora sonham com uma vaga nos Jogos de Tóquio. A competição serviu para que André Jardine ganhasse alguns reforços inesperados, confirmasse a expectativa com alguns e se decepcionasse com outros.

O treinador pegará os próximos dias para descansar após quase 40 dias concentrado, mas, em breve, começará a traçar o planejamento para formar o grupo que viajará para o Japão em julho.

"A gente construiu uma base, não vai fugir dessa base, mas vamos continuar acompanhando. Eles precisam desempenhar nos clubes, e claro que a gente leva em consideração o que fizeram aqui. Vamos descansar um pouco, mas também vamos pensar nos atletas com mais idade que pode trazer um nível de experiência, um tempero que a equipe precisa. Torcer para que esses atletas que aqui estiveram continuem evoluindo e se firmem, porque muitos não são titulares nos seus clubes. Eles precisam jogar para terem ainda mais experiência", afirmou Jardine.

Quem sobe

Pepê, jogador da seleção brasileira sub-23 - Divulgação/CBF - Divulgação/CBF
Imagem: Divulgação/CBF

Pepê

O atacante foi chamado para substituir Martinelli, que não teve liberação, e aproveitou as chances que teve. Ele entrou em praticamente todos os jogos e conseguiu fazer três gols, disputando até a última rodada a artilharia com Matheus Cunha. Espera-se que ele ganhe mais chances no Grêmio com Renato Gaúcho para continuar nos planos de Jardine.

Matheus Cunha, jogador da seleção brasileira sub-23 - Divulgação/CBF - Divulgação/CBF
Imagem: Divulgação/CBF

Matheus Cunha

Artilheiro do projeto olímpico, ele já tinha um lugar bastante encaminhado no grupo que vai para o Japão, e seu desempenho na Colômbia o aproximou ainda mais da meta. Com cinco gols, ele foi o artilheiro da competição e se mostrou indispensável para o estilo de jogo montado por Jardine.

"Se eu for convocado, que é o sonho de qualquer jogador, vou brigar com unhas e dentes para que eu possa estar lá. Disso eu não abro mão por nada. Vestir a camisa da seleção é o objetivo principal da minha carreira, o que mais me deixa feliz profissionalmente. Qualquer coisa pode dar um probleminha, mas espero que seja resolvido", afirmou o atacante.

Bruno Guimarães, jogador da seleção brasileira sub-23 - Divulgação/CBF - Divulgação/CBF
Imagem: Divulgação/CBF

Bruno Guimarães

Eleito melhor da competição, o volante é outro que confirmou as expectativas que levantou após o excelente ano de 2019 no Athletico Paranaense. Com um excelente desempenho, especialmente na primeira fase, ele se consolidou como referência no grupo e já tenta até acordo com o Lyon para ter liberação caso seja convocado para as Olimpíadas.

"Conversei, e eles falaram que vão fazer de tudo para me liberar. Conversas mais para frente devem definir isso, mas eu pedi para jogar, sim", afirmou o meio-campista.

Paulinho, jogador da seleção brasileira sub-23 - Divulgação/CBF - Divulgação/CBF
Imagem: Divulgação/CBF

Paulinho

O atacante se mostrou versátil ao poder pelo lado e também mais centralizado, ao lado de Matheus Cunha no ataque. Com três gols, o jogador se mostrou importante no esquema de André Jardine e se consolidou como uma ótima opção para estar entre os convocados do ataque.

"Com certeza, sempre quero estar junto com a minha seleção. Nós, brasileiros, sabemos a importância de jogar uma competição como essa, Olimpíada ou pré-olímpico. É claro que a gente fica feliz com essa oportunidade, mas tem que brigar, não é fácil liberar, até porque os Jogos de Tóquio vão estar na pré-temporada ali. Vamos ver o que vai rolar, se tiver muita burocracia, vamos ver o que rola", afirmou o atleta.

Quem desce

Robson Bambu, jogador da seleção brasileira sub-23 - Divulgação/CBF - Divulgação/CBF
Imagem: Divulgação/CBF

Bambu

Depois de começar a campanha da seleção como titular, o zagueiro caiu de produção, apresentou algumas falhas na vitória sobre a Bolívia e perdeu espaço. Terminou a competição como a quarta opção, atrás de Bruno Fuchs, Ricardo Graça e Nino.

Yuri Alberto, jogador da seleção brasileira sub-23 - Divulgação/CBF - Divulgação/CBF
Imagem: Divulgação/CBF

Yuri Alberto

Apesar de ter recebido chances, o atacante não conseguiu justificar o cargo de reserva do artilheiro da seleção. Nas vezes que entrou em campo, não impressionou pelo seu futebol e dificilmente terá o nome lembrado para a lista olímpica se não evoluir nos meses até lá.

Iago, jogador da seleção brasileira sub-23 - Divulgação/CBF - Divulgação/CBF
Imagem: Divulgação/CBF

Iago

Depois de receber chance para substituir Caio Henrique, o lateral esquerdo apresentou dificuldades sérias de marcação e alguns erros cruciais em saídas de bola. Não à toa, perdeu o espaço justamente na partida final, que terminou em vitória sobre a Argentina. Para voltar a ter uma chance no grupo olímpico, precisará apresentar uma evolução no Augsburg, da Alemanha.

Seleção Brasileira