PUBLICIDADE
Topo

Flamengo

Landim e vices do Fla faltam a CPI, e serão conduzidos coercitivamente

Sessão da CPI dos Incêndios na Alerj apura mortes no centro de treinamento Ninho do Urubu - Leo Burlá / UOL Esporte
Sessão da CPI dos Incêndios na Alerj apura mortes no centro de treinamento Ninho do Urubu Imagem: Leo Burlá / UOL Esporte

Leo Burlá

Do UOL, no Rio de Janeiro

07/02/2020 11h55

Convidado a depor na CPI que apura as causas e responsabilidade pelo incêndio no Ninho do Urubu, o presidente do Flamengo, Rodolfo Landim não compareceu à sessão realizada na manhã de hoje (7) na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj).

Em sua ausência, nenhum vice-presidente representou o Rubro-negro e os convocados serão conduzidos de forma coercitiva na próxima sexta-feira (14), segundo o deputado Alexandre Knoploch (PSL), presidente da CPI. São eles Landim, o vice-Jurídico, Rodrigo Dunshee, e o ex-vice de Patrimônio, Alexandre Wrobel.

Os únicos representantes do Flamengo foram o CEO, Reinaldo Belotti, o diretor-jurídico, Antonio César Panza, e o advogado William de Oliveira.

Os pais do garoto Pablo, uma das dez vítimas fatais, participaram da audiência, assim como membros do Corpo de Bombeiros, da Polícia, Ministério Público, dentre outros órgãos. A única outra família que se fez representar foi a de Jorge Eduardo, que enviou a advogada Paula Wolff.

"No dia da morte do meu filho não tive um contato do clube, soube pela imprensa. Eu não tive acompanhamento psicológico, o Flamengo não me ajuda em nada. Não houve contato nenhum", relatou Wedson Cândido de Matos, pai do jovem.

Pais de Pablo (de costas) durante a sessão da CPI que tratou do incêndio no Ninho do Urubu - Leo Burlá / UOL Esporte - Leo Burlá / UOL Esporte
Pais de Pablo (de costas) durante a sessão da CPI que tratou do incêndio no Ninho do Urubu
Imagem: Leo Burlá / UOL Esporte

Advogada da família, Mariju Maciel pediu atenção por parte do Flamengo:

"A gente queria atenção. É muito triste receber um caixão e ver as pessoas transformarem isso em dinheiro. Estamos falando de dor, não de dinheiro", disse a advogada Mariju Maciel, representante legal da família de Pablo.

A comissão não trata exclusivamente da tragédia no Ninho, mas também de incêndios de grandes proporções ocorridos no Rio de Janeiro recentemente, casos do Museu Nacional e do Hospital Badim, por exemplo.

O clube já tem acordo com as famílias de Gedinho, Athila, Vitor Isaias, e com o pai de Rykelmo. O Fla paga uma pensão mensal de R$ 10 mil para as famílias das vítimas.

Bandeira chegou à tarde

Ex-presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello na sessão da CPI do Ninho do Urubu  - Leo Burlá / UOL Esporte - Leo Burlá / UOL Esporte
Ex-presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello na sessão da CPI do Ninho do Urubu
Imagem: Leo Burlá / UOL Esporte

O ex-presidente do Flamengo Eduardo Bandeira de Mello chegou na CPI na parte da tarde acompanhado de seu advogado. O ex-dirigente justificou sua ausência na parte da manhã por estar em Brasília (DF).

Pablo era primo de zagueiro do Vasco

Werley lamenta gol sofrido pelo Vasco em partida contra o Flamengo - Thiago Ribeiro/AGIF - Thiago Ribeiro/AGIF
Pablo era primo do zagueiro Werley, do Vasco da Gama
Imagem: Thiago Ribeiro/AGIF

Pablo era primo do zagueiro Werley, do Vasco. Na última quarta-feira (5), após atuar como titular na vitória cruzmaltina por 1 a 0 sobre o Oriente Petrolero (BOL), pela primeira fase da Copa Sul-Americana, defensor - muito emocionado - falou sobre a situação e pediu punição aos culpados.

"É uma situação difícil, né? Sábado faz um ano. Foi um ano muito difícil, perdi um primo que era praticamente um filho. Morou alguns meses comigo. A dor ainda continua, essa ferida nunca vai se fechar. Nem para a nossa família, para os pais dele... Mas temos de seguir a nossa vida. Pablo tinha o sonho de se tornar jogador profissional que, infelizmente, foi interrompido por aquela tragédia", disse ele, que completou:

"Os advogados estão cuidando disso junto com meus tios. Está difícil. Ainda não foi fechado o inquérito. Um ano se passou e as coisas estão paradas. A gente só quer que o culpado seja punido. Alguém é culpado. Como disse, cresci dentro de concentração... Infelizmente, acontece...".

Errata: o texto foi atualizado
Eduardo Bandeira de Mello não era presidente do Flamengo no período do incêndio.

Flamengo