PUBLICIDADE
Topo

Futebol


Por que Atlético-MG e Santos estão, ao mesmo tempo, otimistas por Soteldo

Soteldo domina bola sob chuva em treino do Santos - Ivan Storti/Santos FC
Soteldo domina bola sob chuva em treino do Santos Imagem: Ivan Storti/Santos FC

Eder Traskini e Thiago Fernandes

Do UOL, em Belo Horizonte (MG) e Santos (SP)

06/02/2020 04h00

Resumo da notícia

  • Tanto Santos quanto Atlético-MG estão otimistas por Soteldo
  • O Galo aposta no entendimento do Huachipato (CHI) sobre cláusula presente no contrato do jogador e no pagamento à vista
  • O Peixe tem um entendimento diferente sobre a cláusula
  • Uma reunião entre Soteldo e William Thomas na tarde de ontem (5) aumentou o otimismo santista

O venezuelano Yeferson Soteldo vem concentrando grande parte dos holofotes do mercado da bola 2020 nos últimos dias. O atleta do Santos está na mira do Atlético-MG, que oferece R$ 51 milhões para tirá-lo da Vila Belmiro. Detalhes contratuais e conversas recentes deixam os dois clubes otimistas na negociação. Mas como? O UOL Esporte explica.

O Galo confia na cláusula presente no contrato de Soteldo e no pagamento à vista para vencer a batalha. Os mineiros têm o empresário André Cury, que tem bom relacionamento com o Huachipato (CHI), à frente da negociação e foram informados pelos chilenos que o Peixe é obrigado a comprar os 50% do jogador que ainda pertencem ao Huachipato por US$ 6 milhões (R$ 25 milhões) caso queira rejeitar proposta de US$ 12 milhões (R$ 51 milhões).

O Santos, porém, não vê dessa forma. O Peixe reconhece tal cláusula, mas tem um entendimento diferente dos termos: o clube praiano teria até o fim do vínculo de Soteldo, ao final de 2022, para pagar tal valor ao clube chileno.

Um diretor santista ouvido pelo UOL Esporte chegou a afirmar que o Santos "só vende quando quiser, para quem quiser e por quanto aceitar". Soteldo e um de seus representantes se reuniram ontem (5) com o Superintendente de Futebol William Thomas e, ao final da conversa, o otimismo em manter o camisa 10 aumentou.

Em entrevista exclusiva ao UOL Esporte, Soteldo abriu o jogo e esclareceu que não está forçando para deixar o Santos. Ele agradeceu todo o carinho recebido e pediu que o presidente apenas cumprisse com "suas responsabilidades econômicas". O venezuelano, porém, não descarta deixar o Peixe, pois sabe das condições financeiras santistas. Ainda assim, Soteldo pleiteia uma valorização.

O Huachipato ameaça ir à FIFA para pleitear o cumprimento da cláusula sob o entendimento do clube chileno, mas o Peixe está tranquilo quanto a isso. Dono dos direitos federativos do jogador e contando com a vontade atual do atleta de permanecer, o clube da Vila Belmiro se vê no controle da operação.

O Santos não exclui a possibilidade de vender o venezuelano, mas não pretende fazê-lo neste momento, nem para o mercado interno. Em entrevistas recentes, o presidente José Carlos Peres chegou a falar em valores distintos para negociar o atleta, mas nada abaixo dos 30 milhões de euros (cerca de R$ 139 milhões).

Futebol