PUBLICIDADE
Topo

Futebol


5 vezes que adversários reagiram mal a dribles de Neymar

Drible ousado provoca advertência de árbitro a Neymar - Gonzalo Fuentes / Reuters
Drible ousado provoca advertência de árbitro a Neymar Imagem: Gonzalo Fuentes / Reuters

Do UOL, em São Paulo

02/02/2020 04h00

Classificação e Jogos

Neymar viveu mais um episódio polêmico, e ao mesmo tempo curioso, na carreira. O camisa 10 do Paris Saint-Germain foi advertido pelo árbitro Jerome Brisard por tentar aplicar uma carretilha em um adversário.

O lance aconteceu aos 35 minutos do primeiro tempo, quando o time da capital francesa vencia por 1 a 0. Em um lance na lateral, Neymar usou o drible contra Souquet, mas a bola bateu no rosto do adversário e saiu de campo. O juiz da partida, então, chamou Neymar para repreendê-lo pela jogada. A atitude irritou Neymar, que discutiu bravamente com o juiz e recebeu cartão amarelo.

O fato de ter sido repreendido por tentar aplicar um drible não é usual e parece inédito na carreira de Neymar. Mas o que não é novo para o atacante é o histórico de adversários que reagem mal ao estilo do atacante.

Com perfil driblador e às vezes provocador, Neymar tem na carretilha uma de suas marcas quando pretende desestabilizar um adversário. E em algumas oportunidades, esse estilo gera uma reação nada agradável dos rivais. Por isso, o UOL Esporte lembrou cinco momentos em que os adversários reagiram mal ao repertório de dribles de Neymar.

Chapéu em Chicão

Campeonato Paulista de 2010. Neymar estava em seu segundo ano no time profissional do Santos, mas seu sucesso já era dado como certo. Mostrando desde cedo que as provocações também fariam parte de seu repertório em campo, o então garoto de 18 anos aplicou um chapéu no zagueiro Chicão, do Corinthians. O detalhe é que a partida já estava paralisada, o que revoltou alguns atletas corintianos. O zagueiro tirou satisfação com o então jovem atacante, e ambos os atletas receberam cartão amarelo. A partida na Vila Belmiro terminou com vitória santista por 2 a 1, com um gol e uma assistência de Neymar, que posteriormente admitiu o excesso. "Foi errado o chapéu com o jogo parado, mas na hora deu vontade." O debate entre os dois, por meio da imprensa, seguiu quente por alguns meses.

Lesão que custou caro

Franck Fife/AFP
Imagem: Franck Fife/AFP
Copa da França de 2019. A lesão mais grave da carreira de Neymar -fratura no pé que quase o tirou da Copa de 2018- não havia sequer feito o primeiro aniversário e foi "reativada" em uma dividida com um zagueiro do Strasbourg. O lance não aconteceu em decorrência de alguma "firula" do atacante brasileiro, que já atuava pelo PSG, mas a partida teve momentos de tensão. Uma carretilha e um chute no vácuo deixaram os adversários irritados e levaram a uma declaração ameaçadora de Anthony Gonçalves. "É seu estilo. Mas quando quer jogar assim, não reclame se apanha. Não estamos aqui para que ele se divirta conosco. Não somos seus fantoches." A lesão no pé tirou o craque do confronto com o Manchester United pela Liga dos Campeões. O PSG foi eliminado em casa na mesma época em que Neymar se divertia no carnaval de Salvador, gerando um clima de instabilidade na relação entre jogador e clube.

Orgulho basco

Copa do Rey de 2015. A final entre Barcelona e Athletic Bilbao foi nervosa. No fim da partida, vencida por 3 a 1 pelos catalães, Neymar tentou aplicar uma carretilha em um defensor adversário, mas não obteve sucesso. Ao cair no campo, foi intimidado pelos jogadores do Bilbao e só conseguiu escapar graças à interferência de Xavi. Ainda levou cartão amarelo por "atitude inconveniente". O lance gerou, inclusive, uma crítica de Xavi. "Ele disse que não quer mudar sua forma de jogar. Deveria fazer uma reflexão porque é um menino extraordinário e humilde. Mas tem essa coisa de brasileiros (drible), que o veem como parte do show, mas aqui se vê como falta de respeito." Com a vitória, o Barcelona se sagrou campeão, compondo o triplete junto com a Liga dos Campeões e o Campeonato Espanhol.

Paraguaio velho conhecido

Ricardo Nogueira/Folhapress
Imagem: Ricardo Nogueira/Folhapress
Campeonato Paulista de 2012. A vítima de Neymar foi o lateral direito Piris, do São Paulo. O duelo já era conhecido do ano anterior, quando Santos e Cerro Porteño se enfrentaram quatro vezes pela Copa Libertadores. Neste reencontro, o Santos encarava o Tricolor pela terceira vez seguida na semifinal do Estadual. Em jogo único e eliminatório no Morumbi, o time alvinegro vencia por 2 a 0, quando Neymar partiu para cima de Piris e aplicou uma série de cinco dribles. É verdade que nenhum deles serviu para fomentar o ataque santista, mas descontrolou o paraguaio, que lhe deu uma rasteira e levou cartão amarelo. No intervalo, Piris foi substituído por Rodrigo Caio. E no fim, o Santos venceu por 3 a 1, com três gols de Neymar, classificando-se para a decisão contra o Guarani.

Rivalidade acirrada

Copa do Rey de 2015. Em sua melhor temporada no futebol europeu, Neymar tinha uma rivalidade acirrada com os jogadores do Atlético de Madri. Os colchoneros falavam abertamente que não concordavam com o estilo do brasileiro em campo. E no mata-mata das quartas de final, não foi diferente. Os dribles e caretas do brasileiro irritaram os adversários que tiraram satisfação no intervalo, quando o duelo estava empatado por 2 a 2. O mais acintoso foi o centroavante Fernando Torres, que deu um empurrão em Neymar. "Jogadores como ele têm que dar exemplo", disse Torres à época. "Em toda sua carreira vai ter problemas. Neymar tem um estilo de jogo, dá caneta, fala. É sua forma de jogar. Algum dia vai ter problema, como teve hoje", reclamou Cani. O técnico do Barcelona na época, Luis Enrique, defendeu seu pupilo. "Este é um país curioso. Ofende mais dar um drible do que o revide com quatro ou cinco faltas. Os brasileiros entendem o futebol como um espetáculo, para divertir-se e para competir." No fim, o Barcelona venceu por 3 a 2 e avançou à semifinal.

Neymar pedala e "entorta" marcador do Montpellier

Futebol