PUBLICIDADE
Topo

Seleção Brasileira

O que os reservas podem fazer para melhorar time titular da seleção sub-23

André Jardine dá instruções para a sua zaga durante jogo entre Brasil e Bolívia - Lucas Figueiredo/CBF
André Jardine dá instruções para a sua zaga durante jogo entre Brasil e Bolívia Imagem: Lucas Figueiredo/CBF

Danilo Lavieri

Do UOL, em Armênia

31/01/2020 04h00

Classificação e Jogos

Na despedida da fase de grupos do Pré-Olímpico, o Brasil entra em campo hoje, às 22h30 (de Brasília), com o time quase inteiro reservas para enfrentar o Paraguai, na cidade de Armênia, na Colômbia. Além de poupar os atletas mais cansados, o técnico André Jardine pode achar algumas soluções entre os atletas que estão no banco para melhorar a equipe titular.

O setor que carece de mais atenção é a defesa. A começar pela saída de bola. Bruno Fuchs e Ricardo Graça ocuparão os lugares de Nino e Robson Bambu com a missão de qualificar a troca de passes no campo defensivo, assim como goleiro Cleiton, que ficará com o lugar de Ivan. No treino de véspera da partida, ao menos, os três mostraram desempenho satisfatório, bastante elogiado pelo técnico.

Dodô substituirá Guga, que apresenta alguns problemas na fase defensiva. Contra a Bolívia, por exemplo, o lateral do Atlético-MG esteve envolvido em falhas que colaboraram em dois dos três gols que o Brasil sofreu. Do outro lado do campo, Iago tem menos chance de impressionar a ponto de substituir Caio Henrique, agora do Grêmio.

O meio-campo é o que menos preocupa Jardine. Bruno Guimarães e Matheus Henrique são titulares absolutos e dois dos destaques individuais do elenco. Não à toa, o gremista é o único titular que continuará jogando e não será poupado. Maycon entra no lugar do agora atleta do Lyon e até veste a faixa de capitão.

Igor Gomes recebeu chances para sair do banco de reservas, mas não justificou a confiança que tem de Jardine desde os tempos de São Paulo. O meia espera ter um desempenho melhor agora que começa como titular e sabe que pode ser substituído por Reinier, que ficará no banco de reservas após ter feito um gol e ter dado uma assistência na última rodada.

Pelos lados, as atenções estão voltadas para Pepê. Ele tem dois gols em menos de 45 minutos jogados e sempre recebe elogios do treinador, especialmente pela sua frieza à frente do goleiro. O gremista pressiona Antony, que nem treinou e tem poucas chances de atuar, e Paulinho, que fez uma ótima partida contra a Bolívia.

À frente, Yuri Alberto tem poucas chances de impressionar o comandante a ponto de substituir Matheus Cunha, que é o artilheiro do Projeto Olímpico, com 11 gols em 13 jogos, e uma confiança difícil de ser quebrada na comissão técnica. Até por isso, Jardine estuda a possibilidade de jogar com Reinier adiantado, como falso 9, em algum momento do quadrangular final.

O Brasil já está classificado para o quadrangular final, mas o Paraguai ainda sonha com um espaço entre os classificados. Para isso, eles terão que derrotar o time que, por enquanto, está com 100% de aproveitamento, com vitórias contra Peru, Uruguai e Bolívia.

FICHA TÉCNICA
BRASIL x PARAGUAI

Data: 31 de janeiro de 2020, sexta-feira
Local: Estádio Centenário de Armênia, na Colômbia
Horário: 22h30 (de Brasília)
Árbitro: Piero Maza (Chile)
Assistentes: Alejandro Molina e Claudio Urruta (ambos do Chile)

BRASIL: Cleiton; Dodô, Bruno Fuchs, Ricardo Graça e Iago (Caio Henrique); Maycon, Matheus Henrique e Igor Gomes; Pepê, Tabata e Yuri Alberto. Técnico: André Jardine

PARAGUAI: Miguel Martínez; Rodi Ferreira, Pablo Meza, Saúl Salcedo, Santiago Arzamendia, Cristhian Paredes, Mathias Villasanti, Braian Ojeda, Sergio Díaz, Sergio Bareiro, Enzo Giménez. Técnico: Ernesto Marcucci

Seleção Brasileira