PUBLICIDADE
Topo

Fluminense

Artilheiro, Nenê renasce decisivo em 2020 e deixa dúvida na cabeça de Odair

Caio Blois

Do UOL, no Rio de Janeiro (RJ)

30/01/2020 04h00

Com 100% de aproveitamento em 2020, o Fluminense de Odair Hellmann faz ótimo início de temporada apesar dos desfalques. Mesmo sem grande parte de seus titulares, o Tricolor começou com o pé direito no Campeonato Carioca e tem um destaque que é um velho conhecido em meio às novidades: o meia Nenê, de 38 anos, marcou três gols nos três jogos que disputou, contando com um golaço de calcanhar no Fla-Flu, e já deixa uma dúvida na cabeça do treinador.

As ausências no ataque foram sentidas pelo Flu, que tem atuado com jogadores do elenco sub-23 no setor de frente. Apesar disso, a torcida não pode reclamar: já são nove gols nos quatro jogos. Os desfalques, entretanto, alçaram o experiente jogador ao status de protagonista, e ele não decepcionou: além de balançar as redes, vem tendo boas atuações.

"Que o Nenê continue assim. Está bem. Quando a equipe está consolidada ou se consolidando através de uma ideia de jogo, as individualidade se potencializam. Nenê está aproveitando o bom momento, junto da equipe, que está em um momento bom. Ele tem essa qualidade de definição, também bateu uma bola muito bonita na trave", declarou Odair Hellmann em coletiva após o jogo.

Após um 2019 decepcionante, quando amargou o banco de reservas, o meia não era considerado peça chave no elenco para 2020. Internamente, o clube negociaria o atleta caso uma proposta chegasse, temendo comportamento inadequado do experiente jogador, que costuma ficar insatisfeito no papel de suplente. Com Paulo Henrique Ganso assegurado como titular e dada a inviabilidade de atuar com os dois juntos, Nenê se tornou dispensável no Flu. Até que o renascimento como artilheiro tenha mudado um pouco as ideias nas Laranjeiras.

"Sempre tento dar o meu melhor, não importa quem esteja atuando comigo. Ganso é um craque, é o nosso maestro. Nós podemos jogar juntos sim. Isso é indiferente. O importante é o time estar bem e estarmos prontos para atender o Odair e ajudar o time da melhor maneira", opinou Nenê após a vitória sobre o Flamengo.

Enquanto Ganso realiza um trabalho de reequilíbrio muscular, o camisa 77 começa o ano voando fisicamente e com ótima relação com o grupo de jogadores e o novo treinador. Acostumado com atletas experientes, Odair tem utilizado Nenê como fazia com D'Alessandro no Internacional: solto na frente, armando o jogo seja pelo meio ou pelas pontas. Livre para flutuar, o meia de 38 anos tem feito boas apresentações e decidiu o clássico com um gol antológico de calcanhar.

"Eu já esperava a bola do Yago. Quando percebi que o goleiro e o zagueiro estavam em cima de mim, pensei no calcanhar como recurso, foi improviso. Tive que bater forte para definir. Foi na força certa, desviou e acabou entrando. É coisa de momento. Eu não me lembro de já ter feito gol de calcanhar, se fiz, já faz tempo, são muitos anos de carreira, três décadas (risos)! Situação que ninguém esperava, tentei a sorte e deu certo", explicou.

Durante treinamentos e jogos, Odair tem ficado próximo ao experiente meia e conta com ele para a temporada. O treinador admitiu que têm dificuldades para montar um time ideal na cabeça dado o bom início das experiências feitas no Estadual.

Do meio para a frente, por exemplo, ainda receberá os reforços dos estrangeiros Michel Araújo, ainda não regularizado, Fernando Pacheco, que esta no Pré-Olímpico com o Peru, e os lesionados Caio Paulista, Marcos Paulo e Evanílson, além de Ganso, que faz trabalho especial. Com muitas opções, Hellmann tem "dor de cabeça boa" para acertar alguns pontos da equipe, que para ele, precisam de evolução.

"A equipe vai conseguindo evoluir dentro da nossa ideia. Quatro vitórias, ainda temos jogadores que não estrearam. Eu não sei como daqui para a frente as coisas vão acontecer. Tem outros jogadores, outras valências, outras oportunidades. O importante é que a equipe está sólida e mantendo a personalidade de jogar. Tudo é muito precoce. Temos que ter muita calma. Ganhamos quatro partidas, mas não ganhamos campeonato ainda. Temos muita coisa a evoluir e a corrigir e é assim que vamos trabalhar", opinou o treinador.

Fluminense