PUBLICIDADE
Topo

Bahia é denunciado por 'trabalho excessivo e horas extras não respeitadas'

Central de Atendimento aos Sócios (CAS) fica localizada na Fonte Nova - Felipe Oliveira / EC Bahia
Central de Atendimento aos Sócios (CAS) fica localizada na Fonte Nova Imagem: Felipe Oliveira / EC Bahia

Marcello De Vico

Do UOL, em Santos (SP)

28/01/2020 16h49

Resumo da notícia

  • Bahia foi denunciado pelo Ministério Público do Trabalho (MPT-BA)
  • Trabalho excessivo e horas extras não respeitadas são alguns dos motivos
  • Irregularidades teriam acontecido na Central de Atendimento aos Sócios
  • Clube tricolor afirma que, se estiver errado, fará as devidas correções

O Bahia foi denunciado pelo Ministério Público do Trabalho (MPT-BA) por conta de irregularidades na Central de Atendimento aos Sócios (CAS) - localizada na Fonte Nova - como trabalho excessivo e horas extras não respeitadas. O órgão ingressou com uma Ação Civil Pública contra o clube tricolor no último dia 8 de janeiro.

Prourado pelo UOL Esporte, o Bahia promete 'corrigir o que precisa caso esteja errado' e destaca que as irregularidades alegadas teriam ocorrido em janeiro de 2019, um ano antes da denúncia.

A informação inicial foi divulgada pelo site Bahia Notícias e confirmada pelo UOL Esporte, que teve acesso ao documento que descreve algumas das irregularidades:

"Hora Extra acima do previsto na lei, mais de 4h extras por dia; liberar somente 20 minutos para descanso/almoço em período de 9h de trabalho; mais de 10 dias de trabalho inclusive domingos/feriados sem nenhuma folga subsequente; trabalho excessivo para gestantes; desvio de funções; atividades da supervisora são passadas para funcionárias fazerem; dentre outros".

O texto da ação diz que 'ao menos nove obreiros vivem jornada extraordinária em desacordo com a Lei' e que aos menos outros nove obreiros 'não têm seu intervalo intrajornada devidamente seguido'. "Ao menos dez obreiros não gozam do descanso semanal" acrescenta.

No último dia 10 de janeiro, a juíza Angélica de Mello Ferreira negou a liminar de tutela de urgência - em que o MPT pede ao clube uma indenização de R$ 200 mil - e solicitou que o Bahia fosse notificado para fazer a defesa em audiência.

Bahia: "se estiver errado, vamos corrigir"

Procurado pelo UOL Esporte, o Bahia informou que 'foi atrás do assunto, constatou que se trata de uma denúncia anônima e, portanto, ainda não sabe exatamente sobre o que se trata'. "Vamos apurar. Se o Bahia estiver errado, vai corrigir o que precisar ser corrigido. Temos mais de 300 funcionários e nunca havíamos tomado conhecimento de algo assim", alegou o clube.

Bahia