PUBLICIDADE
Topo

Santos

Criação sofre, mas Jesualdo não pensa em recuar Pituca para 1º volante

Técnico Jesualdo Ferreira comanda o Santos durante partida contra o Red Bull Bragantino pelo Paulistão 2020 - Fernanda Luz/AGIF
Técnico Jesualdo Ferreira comanda o Santos durante partida contra o Red Bull Bragantino pelo Paulistão 2020 Imagem: Fernanda Luz/AGIF

Eder Traskini

Colaboração para o UOL, em Santos

24/01/2020 04h00

O Santos teve problemas para criar oportunidades de gol na estreia no Campeonato Paulista, o empate por 0 a 0 contra o Red Bull Bragantino, na Vila Belmiro, ontem (23). O próprio técnico Jesualdo Ferreira admitiu que o setor de ataque do clube precisa melhorar as decisões tomada em campo. Ainda assim, o português não pensa em trocar quem inicia as jogadas ofensivas.

O meio-campo formado por Alison, Diego Pituca e Carlos Sánchez sofreu no jogo de ontem e não conseguiu criar oportunidades reais de gol. No esquema de Jesualdo, Alison é o primeiro volante e entra no meio dos dois zagueiros quando o Peixe tem a posse da bola. O camisa 5 é visto como peça fundamental e o português não pretende abrir mão dele para qualificar a saída de jogo.

"Eu gosto mais do Alison naquela posição do que o Pituca. O Pituca tem uma capacidade importante em entrar em zonas mais ofensivas, de ter mais equilíbrio e jogar fácil por ali. O Alison tem mais poder físico, tem mais agressividade e pode fazer um tampão na defesa ali como aconteceu algumas vezes. Do lado direito tem o Carlos que jogou ali muitas vezes, mas ainda falta intensidade para jogar no ritmo que quero", disse Jesualdo após o empate.

Durante boa parte da última temporada, o ex-técnico Jorge Sampaoli utilizou Diego Pituca como primeiro volante. A equipe perdia em marcação, mas ganhava mais qualidade na saída de jogo. Jesualdo, por outro lado, não pensa nessa possibilidade.

O esquema do português na fase ofensiva de jogo coloca Alison entre os dois zagueiros, para fazer a saída de três que o torcedor santista se acostumou na época de Sampaoli. Os dois laterais avançam no campo e abrem bastante para dar opção, com Sánchez e Pituca por dentro quase na mesma linha dos alas.

No duelo de ontem, o Peixe finalizou dez vezes em gol, mas acertou o alvo em apenas duas oportunidades, contra cinco chutes certos do Bragantino — sendo dois deles chances claras de abrir o placar. O Peixe também abusou dos cruzamentos para a área e errou bastante: segundo dados do Footstats, foram 35 bolas alçadas, sendo apenas quatro certas.

O treinador santista escolheu Alison como seu capitão para o duelo de estreia, o que mostra um pouco da importância que ele vê no camisa 5. Além do volante, outros quatro jogadores já foram definidos como capitães do Peixe ao longo da temporada: Luiz Felipe, Lucas Veríssimo, Pará e Carlos Sánchez.

Santos