PUBLICIDADE
Topo

Brasil usa menos a base que Argentina; SPFC é o 5º que mais fornece atletas

Igor Gomes, meia do São Paulo, após fazer gol contra o Atlético-MG - Rubens Chiri/saopaulofc.net
Igor Gomes, meia do São Paulo, após fazer gol contra o Atlético-MG Imagem: Rubens Chiri/saopaulofc.net

Do UOL, em São Paulo

20/01/2020 04h00

Os clubes do futebol brasileiro aproveitam jogadores formados na base bem menos do que times de outros países da América Latina, como Argentina e Chile. A exceção foi o Fluminense, que ficou no top 10 de equipes que mais usam pratas da casa. É o que diz um estudo produzido pelo "CIES Football Observatory", braço do Centro Internacional de Estudo do Esporte, uma organização independente criada em uma parceria da Fifa com a Universidade de Neuchâtel, na Suíça.

O estudo analisou as características de quatro ligas latino-americanas: o Campeonato Brasileiro, a Superliga Argentina, o Campeonato Chileno e a Liga MX, primeira divisão do México. A análise levou em conta as partidas jogadas no segundo semestre de 2019 e classificou como jogadores "formados em casa" os atletas que jogaram pelo menos três temporadas no clube entre os 15 e 21 anos.

Em comparação com os sul-americanos, o Brasil é o que menos dá chances aos garotos. Os times do país deram apenas 14,7% dos minutos em campo para jogadores formados na base, contra 17,8% do Chile e 22,6% da Argentina. Já os times do México, que jogam em uma liga com alto percentual de contratações estrangeiras, usam ainda menos os jovens: apenas 13,3% dos minutos são dos pratas-da-casa.

Tricolores são exceção

Nesse cenário de pouco uso dos garotos, o São Paulo é um brasileiro que se destaca na formação. O problema? Não é necessariamente para aproveitamento próprio. O Tricolor paulista lidera o país em número de atletas formados em sua base espalhados pelos campeonatos estudados, com 31, sendo 13 no próprio clube. Abrindo a comparação, fica em quinto geral no estudo, atrás de Boca Juniors (46), Vélez Sarsfield e River Plate (39) e Newell's Old Boys (33) estão à frente.

Também aparecem nessa lista o Botafogo, com 29 (13 no clube), o Internacional, com 27 (oito no clube), o Santos, com 25 (cinco no clube), o Grêmio, com 22 (12 no clube) e o Flamengo, também com 22 (oito no clube).

No top 10 das equipes que menos utilizaram jogadores da base, quatro são brasileiras: o CSA, com zero minutos para pratas da casa; o Ceará, com 0,2% dos minutos; o Palmeiras, com 1,3%; e o Bahia, com 2,1%. Já entre os times que mais aproveitaram os jovens, o único brasileiro é o Fluminense, na décima colocação, com 31,1% dos minutos para esses atletas.

O alto percentual de jovens da base em equipes argentinas foi atribuído ao fato de as equipes do país, na média, enfatizarem mais a formação de jogadores e ao menor poder financeiro das equipes em comparação com as brasileiras. A idade média do Campeonato Argentino, aliás, é a menor entre as ligas estudadas: 27,5 anos, contra 28 do Brasil, 28,1 do México e 28,2 do Chile. O número, ainda assim, é relativamente alto, já que a maioria dos jovens promissores costuma deixar o mercado sul-americano ainda cedo.

Futebol