PUBLICIDADE
Topo

Fla dispensa 5 sobreviventes de incêndio no Ninho e vê “processo natural”

Incendio CT do Flamengo -
Incendio CT do Flamengo

Alexandre Araújo e Leo Burlá

Do UOL, no Rio de Janeiro (RJ)

15/01/2020 19h02

Dentre alguns jogadores das categorias de base dispensados neste começo do ano pelo Flamengo, estão cinco sobreviventes do incêndio no Ninho do Urubu, que fez 10 vítimas fatais e deixou outros três feridos.

Caike Duarte Pereira da Silva, Felipe Cardoso, João Vitor Gasparin Torrezan, Naydjel Callebe Boroski Struhschein e Wendel Alves Gonçalves estavam no alojamento da base quando o local pegou fogo, no dia 8 de fevereiro do ano passado.

A informação foi publicada, primeiramente, pelo jornal "O Dia" e confirmada pelo UOL Esporte.

Segundo o UOL Esporte apurou, a decisão foi tratada como um processo natural de reformulação e avaliação de desempenho dos atletas das categorias de base, que acontece ao fim de cada ano, após conversas entre a direção da base e as comissões técnicas das respectivas categorias.

Ainda de acordo com a apuração, o auxílio psicológico dado aos sobreviventes do incêndio, caso necessário, poderá ter continuidade, mesmo após a saída dos jogadores.

O incêndio está prestes a completar um ano. Dos familiares das 10 vítimas fatais, a diretoria chegou a quatro acordos. Vale lembrar que são 11 negociações.

Dos casos finalizados, há o das famílias de Athila Paixão, de Gedson Santos, e de Vitor Isaias, além do pai de Rykelmo.

Com a mãe de Rykelmo e com os familiares de Arthur Vinícius, Bernardo Pisetta, Christian Esmério, Jorge Eduardo, Pablo Henrique e Samuel Thomas ainda não houve resolução. As defesas não são conduzidas de forma coletiva.

Flamengo