PUBLICIDADE
Topo

Futebol


Novo time de Mattos gastou demais e agora está sob embargo de contratações

Ex-diretor do Palmeiras ficará por 45 dias no Cruzeiro, antes de começar novo emprego no futebol inglês - Daniel Vorley/AGIF
Ex-diretor do Palmeiras ficará por 45 dias no Cruzeiro, antes de começar novo emprego no futebol inglês Imagem: Daniel Vorley/AGIF

Arthur Sandes

Do UOL, em São Paulo

08/01/2020 04h00

O novo clube de Alexandre Mattos, o Reading FC, está sob sanção na Inglaterra porque gastou demais nas últimas janelas de transferências. O clube correu riscos de perder pontos na segunda divisão inglesa e por enquanto só pode contratar jogadores se conseguir a aprovação prévia da English Football League (EFL).

Na Inglaterra a medida é conhecida popularmente como "embargo brando", porque não proíbe de fato as contratações. O que ocorre é que o Reading só pode contratar um atleta de cada vez, por valores pequenos, e sempre com a anuência da EFL. Há também uma restrição sobre o salário dos reforços, que não podem ser maiores do que 600 mil libras anuais (cerca de R$ 3,2 milhões).

O embargo passou a valer na última janela de transferências, na qual o Reading só investiu em dois jogadores: os atacantes George Puscas e Lucas João. No total a dupla custou 11,4 milhões de libras, o que seria uma fortuna no futebol brasileiro (R$ 60 milhões), mas é relativamente pouco na realidade inglesa.

Todo o caso se dá porque o Reading fechou os últimos anos fiscais em déficit, o que abriu margem para sanções da EFL. O "embargo brando" é o último passo antes da perda de nove pontos, de modo que o Reading precisa seguir as sanções à risca para não acabar sendo prejudicado na disputa da Championship, a segunda divisão inglesa.

O problema pode afetar a atuação de Alexandre Mattos no Reading. O ex-diretor do Palmeiras, que deve passar os próximos 45 dias no Cruzeiro, está tirando o visto trabalhista para assumir sua função na Inglaterra. Uma vez no novo posto, ele será responsável pela relação com outros clubes pertencentes ao mesmo dono do Reading, o chinês Beijing Renhe e o belga KSV Roeselare, incluindo o intercâmbio de jogadores.

Futebol