PUBLICIDADE
Topo

Entenda por que o Mundial de 2000, iniciado há 20 anos, gera tanta polêmica

Corinthians comemora o título mundial de 2000 no Maracanã após vencer o Vasco nos pênaltis - Rubens Cavallari/Folhapress
Corinthians comemora o título mundial de 2000 no Maracanã após vencer o Vasco nos pênaltis Imagem: Rubens Cavallari/Folhapress

Diego Salgado

Do UOL, em São Paulo

05/01/2020 04h00

Oito clubes de cinco continentes diferentes deram início à disputa do primeiro Mundial organizado pela Fifa há exatos 20 anos, no Brasil. Em meio a polêmicas que se repercutem até hoje, o Corinthians conquistou o título contra o Vasco, no Maracanã, depois de dez dias de disputa.

Duas décadas depois do surgimento da competição, o UOL Esporte relembra os motivos que tornaram o Mundial de Clubes de 2000 um dos torneios mais discutidos da história.

Critérios diferentes na escolha dos times

Mundial 8 - Juca Varella/Folhapress - Juca Varella/Folhapress
Imagem: Juca Varella/Folhapress

A Fifa passou a definir as equipes em meados de 1999. Em junho daquele ano, por exemplo, Vasco e Corinthians foram indicados para a disputa do torneio. O time carioca foi escolhido pela Conmebol por ser campeão da Libertadores de 1998. O paulista, pela CBF, por ter vencido o Brasileirão de 1998.

A decisão criou incongruências, pois nem todos os oito times foram escolhidos com base na temporada 1998. Outros dois times ganharam o direito de disputar o Mundial por títulos naquele ano: o Real Madrid, vencedor do Mundial Interclubes, e o Al-Nassr, da Arábia Saudita, campeão da Supercopa da Ásia.

Os outros participantes foram escolhidos pela Fifa por títulos alcançados em 1999: Manchester United (Inglaterra), vencedor da Liga dos Campeões, South Melbourne (Austrália), campeão de um torneio criado especificamente para classificar um time da Oceania, Necaxa (México), vencedor da Copa dos Campeões na Concacaf, e Raja Casablanca (Marrocos), campeão africano.

Palmeiras ficou fora, e o Vasco dentro

Mundial 7 - Antônio Gaudério/Folhapress - Antônio Gaudério/Folhapress
Imagem: Antônio Gaudério/Folhapress

A decisão da Conmebol em incluir o campeão da Libertadores de 1998 aconteceu dois dias antes de o Palmeiras vencer a edição 1999 da competição continental. A medida foi tomada de forma apressada para evitar surpresas. O adversário palmeirense na final era o Deportivo Cali, da Colômbia.

Se vencesse o Palmeiras, os colombianos criariam um impasse, pois o Mundial poderia ter apenas um representante brasileiro. A escolha pelo Vasco, além disso, deixava uma equipe carioca e outra paulista em cada sede do torneio, justamente das cidades mais importantes do Brasil. O cenário era comercialmente vantajoso, já que as partidas seriam disputadas no Maracanã e no Morumbi, com chances de grandes públicos.

Não houve 2ª edição em 2001

Mundial 6 - Vanderlei Almeida/AFP Photo - Vanderlei Almeida/AFP Photo
Imagem: Vanderlei Almeida/AFP Photo

Excluído do primeiro Mundial organizado pela Fifa, o Palmeiras ouviu a promessa de que estaria na edição 2001. Após o título do clube alviverde na Libertadores, Néstor Benítez, diretor de comunicação da Conmebol, disse que o critério adotado com o Vasco seria mantido.

"A partir de agora, sempre o campeão sul-americano vai jogar o Mundial da Fifa dois anos depois. Não adianta qualquer recurso. Mantivemos o que já havia sido indicado", afirmou.

Mustafá Contursi, então presidente do Palmeiras, era muito próximo de Eurico Miranda, o vice-presidente vascaíno. Eles eram também vices do Clube dos 13 e dois dos principais aliados de Ricardo Teixeira.

A promessa, entretanto, não foi cumprida devido ao cancelamento da segunda edição. Isso aconteceu depois do pedido de falência da ISL, agência de marketing ligada à Fifa. Sem o aporte da parceira, a entidade máxima do futebol decidiu adiar a segunda edição, que aconteceria na Espanha e já tinha até tabela de jogos. O Palmeiras foi indenizado em 750 mil dólares.

Dois campeões mundiais em 2000

Mundial 5 - Yoshikazu Tsuno/AFP Photo - Yoshikazu Tsuno/AFP Photo
Imagem: Yoshikazu Tsuno/AFP Photo

Além da edição organizada pela Fifa em janeiro, a temporada 2000 ainda teve o tradicional embate entre europeus e sul-americanos no Japão. A competição oficial surgiu em 1960, numa parceria entre a Uefa e a Conmebol, sem influência da Fifa e sob forte patrocínio da Toyota a partir de 1980, quando ela passou a ser disputada em Tóquio.

O Boca Juniors venceu a Copa Intercontinental daquele ano ao vencer o Real Madrid por 2 a 1. O torneio ainda foi disputado nos quatro anos seguintes, até a realização da segunda edição do Mundial de Clubes, em 2005.

Em outubro de 2017, a Fifa decidiu reconhecer os títulos da Copa Intercontinental como mundiais. Dessa forma, Corinthians e Boca Juniors são considerados campeões do mundo de 2000.

Um campeão sem título continental

Mundial 4 - Antônio Gaudério/Folhapress - Antônio Gaudério/Folhapress
Imagem: Antônio Gaudério/Folhapress

O Corinthians disputou o Mundial de 2000 como representante do país-sede. À época, foi escolhido pela CBF por ter sido campeão brasileiro em 1998. Em 1999, repetiu a dose e, de certa forma, evitou mais uma polêmica em relação às escolhas. O adversário da final de 1999 foi o Atlético-MG, que poderia ficar na mesma situação do Palmeiras caso vencesse.

O critério da Fifa em incluir o representante do país-sede voltou à tona em 2008, na quarta edição consecutiva após a retomada do Mundial. Desde então, o Kashima Antlers, em 2016, ficou perto de repetir o roteiro corintiano.

Campeão nacional naquele ano, o time eliminou o Atlético Nacional, da Colômbia, na semifinal, e chegou a empatar por 2 a 2 com o Real Madrid no tempo normal da decisão. O time espanhol só venceu na prorrogação (4 a 2).

Suposto desinteresse dos europeus

Mundial 3 - Antônio Gaudério/Folhapress - Antônio Gaudério/Folhapress
Imagem: Antônio Gaudério/Folhapress

A participação do Manchester United no Mundial de 2000 aconteceu depois de pressão da federação inglesa, que tinha planos para organizar a Copa do Mundo de 2006. A vinda ao Brasil, assim, era uma forma de manter as boas relações.

Vencedor do Campeonato Inglês, da Liga dos Campeões e da Copa Intercontinental em 1999, o Manchester United não resistiu ao Vasco num Maracanã lotado, mesmo com suas principais estrelas, e acabou derrotado por 3 a 1. O time ainda empatou por 1 a 1 com o Necaxa e venceu, já eliminado, o South Melbourne por 2 a 0.

Em 2010, o lateral-esquerdo Roberto Carlos se referiu ao Mundial de 2000 como "Mundialito". O jogador que disputou a competição pelo Real Madrid se explicou em seguida ao falar que os europeus priorizam a Liga dos Campeões.

Dois brasileiros na final

Mundial 1 - Ana Carolina Fernandes/Folhapress - Ana Carolina Fernandes/Folhapress
Imagem: Ana Carolina Fernandes/Folhapress

Também em 2010, o então presidente da Fifa, Joseph Blatter, reconheceu que o regulamento do Mundial de 2000 teve falhas. Segundo ele, o título não poderia ser decidido por dois times brasileiros.

O dirigente afirmou na ocasião que o formato foi repensado para que isso fosse evitado nas edições seguintes. De 2005 a 2019, a final "caseira" nunca mais foi reeditada.

Mais recentemente, a Fifa mudou novamente o formato, dessa vez com alterações mais profundas. O número de competidores saltará de sete para 24. A América do Sul terá direito a seis vagas. Como a edição começará em junho, os campeões da Libertadores e da Copa Sul-Americana 2019 e 2020 disputarão o torneio, além de dois times vindos da Supercopa, torneio que não acontece desde 1997.

Gol irregular

Mundial 2 - Almeida Rocha / Folhapress - Almeida Rocha / Folhapress
Imagem: Almeida Rocha / Folhapress

O Mundial de 2000 tinha um regulamento simples. Os líderes dos grupos compostos por quatro times iam à final. O Corinthians, ao contrário do Vasco, sofreu para garantir a vaga. O gol da classificação saiu aos 36 minutos do segundo tempo da terceira partida, contra o Al-Nassr.

O placar de 2 a 0 eliminou o Real Madrid, que encerrou a fase de grupos com sete pontos, como o Corinthians - no duelo direto, os adversários ficaram no 2 a 2. O time brasileiro, porém, terminou na ponta por ter quatro gols de saldo, contra três dos espanhóis.

Mas a história poderia ser diferente. Na estreia da competição, o Corinthians venceu o Raja Casablanca por 2 a 0 com um gol irregular do zagueiro Fábio Luciano no segundo tempo. A bola chutada pelo defensor bateu no travessão e voltou em cima da linha, sem entrar na meta.

Em contrapartida, o Corinthians teve um gol que poderia ser validado contra o próprio Real Madrid. No empate por 2 a 2, o time paulista foi às redes com o zagueiro João Carlos quando o placar apontava 1 a 0 para os espanhóis. O árbitro assinalou falta no goleiro no lance. Se o Corinthians vencesse por 3 a 2, fecharia a fase de grupos com nove pontos, contra seis do Real.

Errata: o texto foi atualizado
Ao contrário do que informado anteriormente, o Vasco venceu o Manchester United por 3 a 1 e não 2 a 0. O erro foi corrigido.
Ao contrário do que informado anteriormente, o Corinthians disputou o Mundial de 2000 e não 200. O erro foi corrigido.

Futebol