PUBLICIDADE
Topo

Mundial de Clubes - 2019

Mundial vira ensaio-geral do Qatar para Copa; falhas de segurança acontecem

Estádio Khalifa, em Doha, foi o palco da final do Mundial entre Flamengo e Liverpool - Leo Burlá/UOL
Estádio Khalifa, em Doha, foi o palco da final do Mundial entre Flamengo e Liverpool Imagem: Leo Burlá/UOL

Leo Burlá

Do UOL, em Doha (Qatar)

23/12/2019 04h00

Com o fim da Copa das Confederações, evento tradicionalmente utilizado como teste um ano antes da Copa do Mundo, o Mundial de Clubes do Qatar ganhou ares de ajustes finais para receber as seleções em 2022. Ante a disputa intercontinental em jogo, o Supremo Comitê de Entrega e Legado (SC) tentou reproduzir nas partidas o mesmo aparato que será empregado em três anos, seja na identidade visual, na segurança, no treinamento dos envolvidos e em todo o ambiente que cerca a competição.

Na maioria dos aspectos, os catarianos passaram com folga. Em um deles, foram detectados problemas: a torcida tunisiana acendeu sinalizadores e soltou fumaça colorida, o que obrigou a intervenção dos seguranças privados, outra exigência da Fifa. Os profissionais tentaram conter o tumulto que se formou e conseguiram resolver a questão sem o uso de violência. Esse foi o incidente de maior gravidade dentro das arenas e deixou claro que a segurança e a revista falharam.

"O Mundial está nos ajudando no gerenciamento de multidões, na comunicação, na experiência dos fãs e na identificação das áreas em que podemos melhorar. Queremos dar as boas-vindas aos fãs e também nos comunicar com eles e obter feedback sobre a experiência. Além disso, nossa infraestrutura está sendo testada", disse Hassan Al Thawadi, secretário-geral do SC, durante conferência.

A rodada dupla que reuniu os jogos Espérance (TUN) x Al-Hilal (SAU) e Al-Saad (QAT) x Monterrey (MEX) foi um bom exemplo disso. Ainda que os jogos não tivessem o mesmo apelo de público, bloqueios de ruas foram feitos previamente e as forças de segurança atuaram em massa. Policiais à cavalo e outros com cachorros faziam a ronda em volta do estádio, todo cercado e com acesso franqueado apenas aos torcedores com tíquete.

Bloqueios antes dos estádios no Mundial - Leo Burlá / UOL - Leo Burlá / UOL
Bloqueios antes dos estádios no Mundial
Imagem: Leo Burlá / UOL

Para testar o serviço de transporte público, as autoridades isentaram o pagamento do metrô para os que têm ingressos para as partidas. A avaliação do transporte público foi absolutamente positiva por parte da organização. Nas semifinais e na final, o serviço transportou milhares de torcedores sem problema algum. Esse deslocamento foi elogiado pela Fifa.

Centenas de voluntários atuaram em todas as áreas da competição e a gentileza foi a marca do trabalho. Para facilitar a interação, eles usam uniformes com os nomes de suas respectivas áreas gravados às costas.

Mundial virou ensaio geral do Qatar para 2022 - Leo Burlá / UOL - Leo Burlá / UOL
Mundial virou ensaio geral do Qatar para 2022
Imagem: Leo Burlá / UOL

Padrão Fifa

A entidade que dirige o futebol é rígida quanto aos padrões de seus eventos e o Mundial tem servido como uma reprodução em menor escala daquilo que se verá em 2022.

Na área de convivência dos estádios, palco para shows e apresentações, barracas de comidas típicas e internacionais, e a exposição do troféu que seria dado ao clube campeão no Qatar. Um estande que pinta o rosto de crianças e adultos também está lá. Tudo com o jeito da Fifa.

Na Fan Zone, aqueles que não compraram entradas também encontrarão tudo aquilo que os que foram em alguma edição recente da Copa do Mundo já conhece: entretenimento, música e, ao contrário do que ocorre nas arenas, bebida alcoólica.

O espaço destinado para essa festa no Mundial foi marcado por frieza absoluta em quase todo o tempo. Como Doha não tem muitos pontos de concentração, estas áreas terão atenção especial em 2022.