PUBLICIDADE
Topo

Mundial de Clubes - 2019

Não foi só o Flamengo: japoneses, LDU e argentinos incomodaram europeus

Roberto Firmino chuta para anotar o gol da vitória do Liverpool sobre o Flamengo - Kai Pfaffenbach/Reuters
Roberto Firmino chuta para anotar o gol da vitória do Liverpool sobre o Flamengo Imagem: Kai Pfaffenbach/Reuters

José Edgar de Matos

Do UOL, em São Paulo (SP)

23/12/2019 04h00

Classificação e Jogos

As redes sociais discutem o tamanho do feito do Flamengo, que encarou e impôs dificuldades ao Liverpool na final do Mundial de Clubes, disputada no sábado (21), no Qatar. Porém, em outras disputas os campeões da Uefa já tinham enfrentado momentos complicados diante dos adversários de outros continentes — e isso não se limita apenas a quem venceu a Libertadores.

Com o controle do jogo nos momentos de baixa intensidade do Liverpool, o Flamengo finalizou oito vezes e exigiu três defesas do goleiro brasileiro Alisson. Em alguns momentos, o ritmo da partida ficou sob os pés rubro-negros. A derrota por 1 a 0 deu-se apenas na prorrogação, com gol de Roberto Firmino. Há exatos dez anos, outro time inegavelmente apontado como o melhor da Europa viveu aperto parecido...

Estudiantes foi campeão do mundo até os 44min do 2º

Boselli Estudiantes - Marwan Naamani/AFP - Marwan Naamani/AFP
Boselli, hoje no Corinthians, fez gol pelo Estudiantes diante do Barcelona
Imagem: Marwan Naamani/AFP

O Barcelona do início da Era Pep Guardiola encarou o Estudiantes de la Plata na decisão do Mundial de 2009 e precisou de um gol próximo aos 45min do segundo tempo para levar o jogo para a prorrogação. Antes, o time argentino, que apelou para as faltas a fim de interromper o jogo catalão (foram 29 na partida), sustentava uma vantagem de 1 a 0 com gol do hoje corintiano Mauro Boselli.

Pedro empatou e forçou a prorrogação. No tempo-extra, Lionel Messi, com um icônico gol de peito, colocou o Barcelona em vantagem sobre a equipe argentina, que contava com um veterano Juan Sebastian Verón no meio-campo.

O placar de 2 a 1 favorável aos espanhóis se sustentou até o fim da prorrogação e decretou o título na época inédito para o Barça.

Japoneses surpreenderam o Real Madrid

Kashima Real Madrid - Toru Yamanaka/AFP - Toru Yamanaka/AFP
Kashima deu trabalho para o Real Madrid na final de 2016
Imagem: Toru Yamanaka/AFP

A prorrogação encarada por Liverpool e Barcelona também foi vivida pelo Real Madrid em 2016. O gigante espanhol enfrentou o Kashima Antlers, que havia eliminado o Atlético Nacional campeão da Copa Libertadores daquele ano, e precisou de 120min para se sagrar campeão mundial de clubes.

O Kashima acertou cinco chutes no gol madridista e chegou a virar o jogo contra o temido adversário, que abriu o placar com Karim Benzema. Precisou Cristiano Ronaldo, de pênalti, igualar o marcador e forçar a prorrogação. O português, com mais dois gols no tempo-extra, tratou de evitar a zebra.

LDU jogou 11 x 10 e assustou

Manchester United - David Guttenfelder/AP - David Guttenfelder/AP
Manchester United passou dificuldades contra a LDU, que teve 11 contra 10 jogadores durante quase todo o 2º T
Imagem: David Guttenfelder/AP

Depois de calar o Maracanã ao bater o Fluminense na final da Copa Libertadores, a LDU flertou com nova façanha histórica diante do gigante Manchester United de Wayne Rooney e Cristiano Ronaldo. Os equatorianos resistiram até os 28min do segundo tempo, quando justamente Rooney anotou o gol da vitória simples.

Embora dominada no primeiro tempo, a LDU criou grande chance em bola parada de Manso logo aos 3min. No início da segunda etapa, o zagueiro Vidic acabou expulso e deixou os ingleses com dez homens no campo.

Foram duas boas chances paradas pelo goleiro Van der Sar até que o Manchester United encontrou o gol do título em finalização precisa de Rooney, após passe de Cristiano Ronaldo. A partir dali, a vantagem numérica equatoriana sumiu, e os britânicos controlaram o duelo até o apito final.