PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Exigente, ofensivo e intenso: O que o Inter pode esperar de Coudet

Eduardo Coudet é anunciado como técnico do Internacional por dois anos - Divulgação/Inter
Eduardo Coudet é anunciado como técnico do Internacional por dois anos Imagem: Divulgação/Inter

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

17/12/2019 04h00

Eduardo Coudet foi anunciado como novo técnico do Inter. A chegada significa uma ruptura de estilos. A fuga do conservadorismo ou um modelo mais defensivo para um time intenso, ofensivo que propõe o jogo e atua no campo rival.

O torcedor do Colorado pode esperar um técnico exigente. No dia a dia, Coudet pauta suas ações apenas pelo campo. Mesmo que mantenha amizade com os atletas, mostrou, no Racing, que a exigência técnica se impõe a qualquer relação fora de campo.

"Ele é um treinador muito intenso no dia a dia. Mesmo que seja amigo dos jogadores, não é um treinador que se apega a nada. Se tiver que tirar um determinado jogador pelo rendimento, não importa se é o mais próximo ou menos próximo dele", contou o jornalista Daniel Avellaneda, do jornal Clarín e do canal Fox Sports da Argentina, ao UOL Esporte.

"Anotem esta frase: Quem está 100%, joga, quem não está 100%, não joga, independente de quem seja. É assim com Coudet", disse Alejandro Ojeda, da Rádio Club Octubre 94.7, "Se tiver que deixar no banco, ele deixa, seja quem for. É um treinador positivo, os jogadores jogam por ele", completou.

Coudet fez história no Racing. Há mais de 50 anos que o time não conquistava dois torneios sob o mesmo comando. Ele ganhou o Argentino e o Troféu de Campeões, quando quebrou um estigma de insucessos em torneios eliminatórios. Havia sido eliminado da Copa Argentina, Libertadores, Sul-Americana e Copa da Superliga.

Com 45 anos, tem cinco deles de carreira, já frequentou três finais em seu primeiro trabalho, no Rosario Central, e revelou ou participou diretamente no crescimento uma série de jogadores que passaram pela seleção argentina. Renzo Saravia, Cervi, Lautaro Martínez, Lo Celso, Zaracho, todos passaram pelos cuidados e exigências de Coudet.

O topo da exigência é a principal característica nos treinos dele. Por isso, impõe que sua equipe corra muito, dispute cada bola, jogue perto do campo adversário. Na temporada 2018/2019, Coudet conquistou 112 pontos de 168 disputados pelo Racing. Liderou o Argentino desde a quarta rodada, mantendo o ritmo até o final. A marca o colocou à frente de Marcelo Gallardo e Gustavo Alfaro, de River e Boca, respectivamente.

O treinador levou a equipe ao topo da lista de construção ofensiva no torneio, caracterizando sua equipe por manter a posse no campo do adversário, e a partir dela criando oportunidades de gol.

"Ele monta times intensos e explosivos. Foi muito bem assim com Centurión [ex-São Paulo], que é um jogador de má conduta, mas muito talentoso. Depois que teve problemas com ele, baixou a intensidade um pouco, mas sempre sob essas características. Monta um 4-1-3-2, normalmente com dois centroavantes. Cvitanich, Cristaldo e Lisandro López jogaram assim. Os internos auxiliados pelos laterais, uma equipe voltada ao ataque", completou Daniel.

"Como pessoa, é um homem correto, nobre, talvez não tenha a formação acadêmica de outros técnicos, mas isso não importa. Ele se faz querer. Se teve uma ou outra diferença no plantel, nunca foi nada grave. Ele tem uma boa forma de ser, não há um jogador que fale mal do Coudet", acrescentou.

Coudet chega a Porto Alegre amanhã (18). O trabalho no Inter será acompanhado por quatro profissionais. O auxiliar Ariel Broggi, os preparadores físicos Octavio Manera e Guido Cretari, e o analista de desempenho Carlos Fernández. O vínculo da comissão vai até o fim de 2021.

Internacional