PUBLICIDADE
Topo

Futebol


Antônio Carlos lembra brigas do Palmeiras dos anos 1990: sempre tinha algo

Evair (d) e Antonio Carlos (d), do Palmeiras, comemoram gol contra o Corinthians em 1993 - Vidal Cavalcante/Agência Estado
Evair (d) e Antonio Carlos (d), do Palmeiras, comemoram gol contra o Corinthians em 1993 Imagem: Vidal Cavalcante/Agência Estado

Do UOL, em São Paulo

13/12/2019 12h17

Resumo da notícia

  • Em entrevista longa ao UOL, ex-zagueiro disse que elenco do Palmeiras de 1993 a 1995 tinha brigas constantes no vestiário
  • "De vez em quando, saía [porrada]. O Evair com o Edmundo, eu com o Edmundo, alguns empurrões"
  • "Teve uma, no Morumbi, minha e do Edmundo. No vestiário, se empurrou, um deu um soco, o outro deu um soco, aí chegou a turma do deixa disso"
  • Luxemburgo chegou a pedir que soltassem os dois. Um membro da comissão foi contra e os dois, técnico e auxiliar, começaram a brigar

Em longa entrevista ao UOL Esporte sobre sua carreira como técnico, o ex-zagueiro Antônio Carlos Zago relembrou do Palmeiras bicampeão brasileiro entre 1993 e 1995. Quando questionado se o vestiário tinha brigas, ele respondeu que "sempre alguma coisa tinha". Era fruto das personalidades fortes que vieram para o clube graças à força econômica da Parmalat.

"De vez em quando, saía [porrada]. O Evair com o Edmundo, eu com o Edmundo, alguns empurrões. O Edílson... nossa, saía. Sempre alguma coisa tinha. É difícil você ver uma equipe como aquela, que, quando entrava em campo, esquecia tudo. Tinha um negócio entre o Evair e o Edmundo ali na frente, que um, às vezes, não queria passar a bola pro outro, ou fazia de conta que não via e chutava no gol. Aí tinha reclamação, mas do resto era um time fantástico", contou Antônio Carlos.

"No Palmeiras, naquela época, a gente tinha quatro, cinco grupinhos, mas o importante é que quando chegava em campo, o Edmundo apanhava lá na frente, eu batia no cara ali atrás. A gente se doía um pelo outro. Não sei se vocês lembram de um episódio. Em um jogo contra o São Paulo, ele [Edmundo] deu um murro no André Luiz e eu fui o primeiro a pegar o Edmundo e tirar ele pro vestiário, senão os caras iam pegar ele mesmo dentro de campo ".

No meio do fogo cruzado entre seus jogadores ficava Vanderlei Luxemburgo. "O Vanderlei sabia conduzir bem isso aí", relembra Zago. Tantas eram as tretas que uma das mais marcantes para o ex-zagueiro envolve Luxa de forma hilária. "Teve uma, no Morumbi, minha e do Edmundo. A gente chegou no vestiário, se empurrou, um deu um soco, o outro deu um soco e aí chegou a turma do deixa disso. Aí, o Vanderlei: 'Não, solta os caras'".

No momento, entrou um dos integrantes da comissão técnica na briga. "Nós tínhamos o Zé Mário, o preparador de goleiro: 'Pô, Vanderlei'. Aí, os dois começaram a discutir entre eles e a gente teve que entrar e separar os dois. Aquele dia, que eu lembro, teve a maior bagunça dentro do vestiário. Mas fora de campo a gente se respeitava muito. Tanto é que é um clube que marcou uma história sendo bicampeão paulista e bicampeão brasileiro".

Melhores momentos da entrevista de Antônio Carlos

UOL Esporte

Futebol