PUBLICIDADE
Topo

Santos: Sampaoli pediu comissão em venda de atletas; clube agora quer multa

Eder Traskini e Samir Carvalho

Do UOL, em Santos

11/12/2019 04h00

O técnico Jorge Sampaoli fez diversas exigências para seguir no Santos em 2020 e, sem acordo, seu ciclo no Peixe chegou ao fim na noite de ontem (10). A extensa lista do argentino teria voos fretados, equiparação de outras propostas que viesse a receber e até uma espécie de comissão pela venda de atletas revelados por ele.

As exigências foram reveladas ao UOL Esporte por pessoas próximas à diretoria santista. Sampaoli chegou a ficar irritado com a falta de voos fretados para jogos mais distantes, como contra o Fortaleza, quando o Peixe acabou tendo problemas com o avião.

Os pedidos foram vistos como fora da realidade pela cúpula santista, assim como os R$ 100 milhões de investimento em reforços que Sampaoli queria para o Santos em 2020 —sem que nenhum atleta-chave do time fosse negociado no mercado da bola.

Além disso, o argentino ainda solicitou que a multa rescisória de sua comissão técnica fosse retirada. O Peixe já havia removido a cláusula do segundo ano de seu próprio vínculo. Mas o Comitê de Gestão rejeitou essa nova revisão. Vale lembrar que o argentino é o primeiro nome da lista do Palmeiras para a próxima temporada.

A própria multa de Sampaoli deve se tornar mais uma novela no Santos. Em nota oficial, o clube disse que o argentino "pediu demissão" no dia 9 e que o caso está "entregue ao Departamento Jurídico". Segundo o UOL Esporte apurou, o Peixe entende que a multa rescisória de Sampaoli ainda era vigente. Portanto, pretende cobrar cerca de R$ 10 milhões do antigo comandante.

Funcionários do clube ouvidos pelo UOL Esporte acreditam que o Santos está bem coberto juridicamente e que tal valor constaria em contrato. Sampaoli ainda não assinou a rescisão de contrato com o Peixe, já que o vínculo assinado é válido até o final de 2020.

Santos