PUBLICIDADE
Topo

Sem dinheiro, Inter vasculha mercado da bola atrás de opções de baixo custo

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

11/12/2019 04h00

Resumo da notícia

  • O Internacional não tem condições de fazer um investimento muito alto para a próxima temporada.
  • Os valores de premiação do Brasileiro e da venda de Nico López serão empregados em pagamento de contas.
  • O clube quer apostar nas categorias de base e procura opções de baixo custo com trocas de jogadores no mercado.
  • Damián Musto e Chará são negócios considerados interessantes pelo valor reduzido a ser envolvido.

O Internacional está melhor do que no início do ano passado, sob prisma financeiro. Mas ainda passa longe de uma situação estável. Por isso, a reformulação no grupo de jogadores acontecerá sem grandes investimento e procurando alternativas de baixo custo no Mercado da Bola.

O Colorado ainda passa pelo processo de recuperação financeira. Por isso, os aproximadamente R$ 40 milhões da venda de Nico López ao Tigres, do México, já estão comprometidos com gastos internos. O pagamento de dívidas antigas consumirá uma parte importante do valor. O mesmo acontecerá com os R$ 21,4 milhões da premiação do Brasileiro.

Para reforçar o grupo, a direção procurará atender os pedidos de Eduardo Coudet com controle de gastos. A chegada de Damián Musto, de 32 anos, é exemplo para isso. O volante não demandaria gasto elevado e a tendência é que chegue por empréstimo.

Jogadores cujos custos fiquem acima do patamar estipulado estão, de pronto, descartados. Caso de Nacho Fernández, do River Plate. Ainda que seja muito admirado nos bastidores, o meio-campista é considerado muito caro para o potencial de investimento do clube.

O molde de troca de jogadores para agregar valor torna a negociação por Yimi Chará interessante. Depois de não avançar na troca envolvendo William Pottker, Patrick surge como nome predileto dos mineiros. O Inter ainda teria que assumir uma dívida de US$ 3 milhões (cerca de R$ 12, 4 milhões) parcelada em três vezes.

Neste cenário se encaixa as saídas de jogadores que precisariam ser comprados para seguir, casos de Neilton e Rithely. Dos vínculos no fim, D'Alessandro e Rafael Sobis demandarão negociação.

Guilherme Parede é um caso particular. Como já pagou R$ 1,5 milhão por 25% dos direitos do atleta, o clube deve firmar a compra de outra parcela idêntica e ficar com 50% do jogador, assinando contrato pelos próximos três anos. O clube tem quatro dias para firmar o negócio, já que o prazo vence em 15 de dezembro.

Para este ano, o Internacional investiu perto de R$ 3 milhões na formação do grupo. A maioria dos jogadores chegaram por empréstimo ou envolvendo trocas. Jogadores que se destacaram na Série B, como Juan Alano e Charles, serão utilizados como argumentos de negociação para buscar reforços ao elenco.

A base será utilizada

Uma das premissas para escapar das dificuldades financeiras é utilizar as categorias de base. E com plano de integrar cada vez mais jovens ao elenco, o Inter utilizará o Campeonato Gaúcho para apresentar os atletas que forem menos conhecidos da nova comissão técnica e espera poder contar com estes jogadores para completar o elenco. O primeiro da fila para ser aproveitado é João Peglow, que foi campeão do Mundial sub-17 com a seleção brasileira. Além dele, Netto espera oportunidade também.

Internacional