PUBLICIDADE
Topo

Futebol


Rapinoe é eleita personalidade esportiva do ano pela Sports Illustrated

Megan Rapione é eleita personalidade esportiva do ano de 2019  - Reprodução
Megan Rapione é eleita personalidade esportiva do ano de 2019 Imagem: Reprodução

Do UOL, em São Paulo

10/12/2019 11h02

A atacante Megan Rapinoe, dos Estados Unidos, foi eleita hoje pela revista Sports Illustrated a personalidade esportiva de 2019. Campeão da Copa do Mundo feminina, ela não se destacou apenas dentro de campo como fora.

Vencedora da Bola de Ouro, prêmio individual da revista France Football, e do The Best, da Fifa, a atleta do Reign FC teve uma temporada inesquecível. O talento dentro de campo e o ativismo fora das quatro linhas fizeram com que diversas personalidades se rendessem a ela. A ex-primeira dama Michelle Obama usou seu perfil no Twitter para mandar os parabéns à Rapinoe.

A jogadora viu seu nome virar notícia também por causa de Donald Trump. Antes mesmo de ser campeã, ela anunciou que não visitaria a Casa Branca em caso de título; o presidente norte-americano ironizou e disse que ela precisava vencer primeiro. Ela conseguiu e, de quebra, foi eleita melhor atleta do Mundial.

"Acho que a coisa mais importante é tirar aquele maníaco da Casa Branca", disse Rapinoe à Reuters, na segunda-feira, ao receber o prêmio

Rapinoe também se destacou pelo posicionamento sobre temas sociais como machismo, homofobia e racismo. Em seu discurso ao receber o prêmio The Best, ela lembrou do caso de Sahar Khodayari, garota iraniana que se suicidou ateando fogo ao próprio corpo após ser presa por assistir à uma partida de futebol.

"O Infantino [presidente da Fifa] falou um pouco sobre tudo o que eu falaria. Uma das histórias que me inspirou neste ano foi de Raheem Sterling, que fez grandes coisas em campo, mas a maneira como discutiu o racismo foi muito importante. A torcedora iraniana que colocou fogo no próprio corpo porque foi assistir a um jogo. As incontáveis jogadoras LGBT que lutam todos os dias para estar neste jogo que amamos, mas, principalmente, lutando contra a homofobia. Estas histórias me inspiram e me entristecem", disse ela.

"Se realmente queremos mudanças significativas, seria excelente se todo mundo se posicionasse contra o racismo e a homofobia como todas estas pessoas se manifestaram. Se todos se posicionassem a favor da igualdade salarial [entre gêneros], isto seria muito importante. Temos uma grande oportunidade como atletas profissionais. Temos muito sucesso financeiro e, de outros modos, temos grandes plataformas", acrescentou Megan.

*Com informações da agência Reuters.

Futebol