Topo

'Baianidade Vasco'? Versão de axé ganha as redes e torcida faz campanha

Jayme Neto e Jorge Menezes Neto, torcedores do Vasco, fizeram versão de axé  - Fotos de Arquivo Pessoal
Jayme Neto e Jorge Menezes Neto, torcedores do Vasco, fizeram versão de axé Imagem: Fotos de Arquivo Pessoal

Alexandre Araújo e Bruno Braz

Do UOL, no Rio de Janeiro (RJ)

03/12/2019 18h00

Ritmo e melodia conhecidos do grande público aliados a uma letra que cita ídolos do Vasco. Foi essa a receita que fez com que a versão cruzmaltina de "Baianidade Nagô" ganhasse as redes sociais nos últimos dias, empolgasse os torcedores e até mesmo o perfil oficial do clube compartilhasse.

A paródia do axé que ficou famoso na década de 90, através da Banda Mel, é uma obra dos vascaínos Jorge Menezes e Jayme Neto. Na composição, nomes que marcaram época em São Januário, como Barbosa, Bellini, Ademir de Menezes, Dinamite, Romário e Edmundo.

Com Jorge no vocal e Jayme no banjo, eles entoaram a música de forma despretensiosa, durante um momento de descontração com amigos na "Barbearia do Zé", no bairro da Ilha do Governador (RJ). A torcida aprovou e já há a tentativa de fazê-la chegar às arquibancadas.

"Sou professor há mais de 20 anos e, nas aulas de matemática e química, fazia algumas paródias. Há algum tempo tenho me dedicado a músicas para o Vasco. Essa da "Baianidade Nagô" é de março e acabamos divulgando agora. É uma forma de aproveitar esse momento da torcida, de resgate dessa que, para mim, é a mais bela história do futebol", disse o empresário Jorge, que completou:

"É uma melodia que está na boca do povo. Sabíamos que ia pegar (risos)".

Para o músico Jayme Neto, o fato de o vídeo ter sido amplamente compartilhado nas redes sociais foi uma surpresa. Ele, agora, torce para que a música seja cantada na Colina, o que representaria a realização de um sonho de infância.

"Honestamente, não esperava todo esse viral da música. Até por ser um vídeo totalmente amador. Escolhemos a "Baianidade Nagô" porque, além de ser um hit eterno, encaixou perfeitamente com a letra que homenageia nossos ídolos. Estamos na torcida para que pegue. Caso a música seja entoada em São Januário, será um sonho de infância se realizando", apontou.

Jorge, por sua vez, já sentiu esse gostinho anteriormente. Ele é o autor de "A Cruz de Malta é quem me guia", versão de "Descobrir dos sete mares", de Tim Maia, e que foi adotada por uma das torcidas do Vasco.

A ideia deles com "Ídolos do Vascão, como foi batizada a versão de "Baianidade nagô", é lembrar jogadores que fizeram parte da história do clube.

"Como que não vamos falar dos muitos craques que o Vasco já fez, que já defenderam o Vasco? Claro que não caberiam todos e, infelizmente, alguns ficaram fora. Mas a música é para esses grandes ídolos", ressaltou Jorge.

Campanha por artistas

Pouco depois de a versão vascaína de "Baianidade Nagô" ter caído nas redes, diversos torcedores fizeram uma campanha para que a música fosse gravada e marcaram artistas notoriamente cruzmaltinos, como foi o caso de Teresa Cristina e Iza.

Recentemente, "Hoje o Vasco joga, amor", paródia de "Tempos modernos", de Lulu Santos, foi gravada por Lexa e MC Darlan e fez sucesso na torcida.

Veja a letra:

Ídolos do Vascão

"Já chegou o Vascão
Bellini, Mauro Galvão
Germano, Acácio e Barbosa

Pedrinho, Felipe foi magia
Dinamite artilharia
Eterno Ademir e Vavá

Luizão e Donizete
Animal em 97
Bebeto e o Baixinho a reinar
(Mil gols)

Com Sorato alegria
E o Denner covardia
Falta pro Juninho cobrar... Vai ser gol!

Eu vou
Cantar pelo time que encantou
São Januário templo levantou
Lutou pela igualdade na cor

Eu queria...
Que a mais linda história fosse eterna
Enquanto houver criança na Terra
O sentimento não pode parar"

Vasco