Topo

Futebol


Associação em massa do Vasco tem recém-nascido e até palmeirense

Advogada palmeirense Giulianna Selingardi se associou ao Vasco por admiração ao clube e laço familiar - Arquivo pessoal
Advogada palmeirense Giulianna Selingardi se associou ao Vasco por admiração ao clube e laço familiar Imagem: Arquivo pessoal

Bruno Braz

Do UOL, no Rio de Janeiro

30/11/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Vasco iniciou na última segunda (25) uma Black Friday dando desconto nos planos de sócios e passou de 30 mil para mais de 100 mil associados em 5 dias
  • Entre os milhares de novos sócios, dois casos chamaram a atenção: um bebê recém-nascido com menos de 24 horas de vida e uma palmeirense
  • O bebê foi registrado como Raul Campos da Silva em homenagem ao presidente que inaugurou São Januário na década de 20: Raul da Silva Campos
  • A torcedora do Palmeiras é a advogada Giulianna Selingardi, que se associou por admiração ao Vasco e laços familiares
  • Com o sucesso da campanha, o presidente do clube, Alexandre Campello, prorrogou a promoção até o dia 8 de dezembro

Um salto de 33 mil para mais de 100 mil sócios em apenas cinco dias, impulsionado por uma promoção de Black Friday que dá 50% de desconto nos planos. Entre os milhares de novos associados do Vasco há jovens, adultos, idosos, adolescentes e também alguns casos mais curiosos, como o de um bebê com menos de 24 horas de vida e uma torcedora do Palmeiras.

O caso da palmeirense Giulianna Selingardi tem uma relação de admiração pelo Cruzmaltino e também um laço familiar. A advogada passou a nutrir carinho pelo clube carioca através de sua tia, Silvia Selingardi Sampaio, que, mesmo sendo natural de Rio Claro (SP) e morando em São Paulo, adotou o Vasco por sua história de inclusão e combate ao racismo.

"Eu tenho uma tia que é vascaína, que sempre morou em São Paulo e eu nunca entendia porque ela torcia para o Vasco. Eu dizia que ela tinha que ser palmeirense e tal. E desde pequena ela sempre me falava que a história do Vasco era muito bonita, que queria torcer para um time que fosse um pouco a mais do que um clube", se recorda Giulianna, que também é sócia do Palmeiras.

"Já tinha esse carinho por causa dela e, depois de um tempo, me formei recentemente em direito. Lembro que para o meu TCC estudei bastante a história de como o clube começou, a luta contra o racismo e que foi um dos primeiros a tratar a modalidade futebol mais profissionalmente. Então isso só fez com que o carinho pelo clube aumentasse", destaca a jovem, complementando: "Quando eu vi a iniciativa [de associação], pensei: vou ajudar. É um jeito efetivo de ajudar em alguma coisa e não só reclamar de dirigente corrupto".

A simpatia pelo Vasco a motivou a ingressar na onda de associação em massa do clube. O que ela só não imaginava era o tamanho da repercussão que sua atitude ia tomar a partir do momento em que resolveu postar em suas redes sociais que havia se tornado sócia do Cruzmaltino sendo palmeirense.

"Eu não imaginava essa proporção. Na verdade, eu já tinha uns amigos vascaínos e postei mais para eles verem. E aí começaram os retuítes, muitos likes e percebi a enxurrada de vascaínos no Twitter, Instagram... Alguns até acharam meu celular. E todos muito bacanas, agradecendo mesmo e sendo super-queridos", disse a palmeirense, que até o fechamento desta reportagem tinha recebido 6.600 curtidas e 1.100 compartilhamentos em sua postagem no Twitter.

Torcedora fanática do Palmeiras, ela esteve presente em São Januário no jogo do título brasileiro do ano passado e lembrou de sua emoção e do laço de amizade entre as torcidas:

"Eu fui para São Januário no jogo do título ano passado. Fui super bem recebida, o pessoal foi incrível. Tem essa amizade, a gente recebe eles [vascaínos] muito bem também quando eles vêm, que é o que tinha que acontecer com todo mundo, não só entre Palmeiras e Vasco. No dia, comprei até uma camisa. Fiz questão. Chorei quando cheguei em São Januário. Rolou uma emoção, até pelo título do Palmeiras também."

Pequeno sócio vascaíno com menos de 24 horas de vida

O pequeno Raul Campos da Silva ainda não sabe, mas já entrou para a história do Vasco. Com menos de 24 horas de vida, ele ajudou o clube a atingir ontem (29) a marca de 100 mil sócios.

Nascido às 20h45 da última quinta-feira (28), o menino não só foi registrado com o nome em homenagem ao presidente que inaugurou São Januário na década de 20 (Raul da Silva Campos), como também se tornou sócio-torcedor do Cruzmaltino.

Carteirinha de sócio-torcedor do pequeno Raul, registrado no Vasco com menos de 24 horas de vida - Arquivo pessoal
Carteirinha de sócio-torcedor do pequeno Raul, registrado no Vasco com menos de 24 horas de vida
Imagem: Arquivo pessoal

"Venho de uma família vascaína. Meu pai, meu avô português, minhas filhas do outro casamento... O Antônio, filho desse segundo casamento, tem o nome um pouco a ver com o Vasco também. Foi inspirado no Adão Antônio Brandão, o primeiro a fazer um gol na história do Vasco. E o Raul foi escolha da mãe. No começo tive um pouco de ojeriza por lembrar do goleiro Raul [campeão mundial com o Flamengo, em 1981], mas aí me lembrei do Raul da Silva Campos, que foi o presidente que inaugurou São Januário", explicou o pai Silvio, enfatizando que a única diferença é na ordem dos sobrenomes.

Para associar seu filho, que ainda está na maternidade, Silvio contou com a ajuda do sobrinho Matheus. No programa de sócios do Vasco, porém, não há como registrar a pessoa com menos de 1 ano de idade, por isso, o registro foi feito com a data de 28 de novembro de 2018. Porém, Matheus fez questão de enviar ao UOL Esporte, além do comprovante da inscrição, a certidão de nascimento de Raul, provando que o pequeno vascaíno nasceu mesmo anteontem.

"Eu moro em Minas Gerais, a família da minha mulher é cruzeirense doente, mas eu estou fazendo minha parte. Ainda nem anunciei [que Raul virou sócio], mas não podia perder esse movimento histórico", disse Silvio, que já se imagina contando sobre esse fatídico dia para o filho:

"São histórias que vou contar para ele e ficarão marcadas para sempre."

Futebol