Topo

Presidente fala em questões pessoais para saída de vice de futebol do Inter

Marcelo Medeiros, presidente do Internacional, concedeu entrevista coletiva hoje - Divulgação/SC Internacional
Marcelo Medeiros, presidente do Internacional, concedeu entrevista coletiva hoje Imagem: Divulgação/SC Internacional

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

28/11/2019 16h58

O presidente do Inter, Marcelo Medeiros, concedeu entrevista coletiva para explicar a saída do vice de futebol Roberto Melo e do diretor de futebol Adauri Silveira, oficializadas na tarde de hoje. O mandatário relatou chateação após o resultado de ontem (derrota para o Goiás) e falou em questões pessoais para a saída.

"Eu tive o privilégio de ser vice de futebol e diretor de futebol antes de chegar à condição de presidente do Inter. Uma vez, um treinador me disse que ser vice de futebol do Inter era uma atividade extremamente difícil. É uma atividade desgastante e exige determinação, não apenas da pessoa, mas familiar. Uma condição profissional que permita se dedicar, não é remunerado... O Roberto esteve à frente do departamento por três anos. Nós agradecemos a ele e o Adauri. Nessa caminhada, há dois meses disputávamos o título da Copa do Brasil. Depois disso, entramos num processo que não conseguimos manter o ritmo e o desempenho. A pressão, óbvio, inerente ao cargo, aumentou. E depois do resultado de ontem, muito chateado, ele conversou comigo no início da tarde, tomou essa decisão e nós entendemos e acatamos", explicou Medeiros.

Rodrigo Caetano seguirá no comando do departamento de futebol. Apenas em 2020 é que um novo vice de futebol será nomeado, já que se trata de um cargo estatutário e que precisa ser ocupado.

"Não entrei no mérito sobre a decisão dele. É algo de foro íntimo. Três anos nesta gestão, e vocês (imprensa) têm o convívio com ele, em coletiva... Tivemos muita turbulência em 2017, cobrança da torcida, pressão, cobrança da mídia. O Odair, quando foi oficializado, também sofreu isso. Agora, o Roberto, é algo de foro íntimo, qual o tipo de chateação que ele teve, não sei. Acho que ele, oportunamente, falará com vocês", completou Medeiros.

O Colorado espera que as trocas não interfiram no processo de montagem de elenco para a temporada que vem.

"Trocam as pessoas, mas o trabalho continua. O trabalho não é feito apenas pelas pessoas que saíram, mas principalmente por profissionais. O Inter tem uma área de prospecção, avaliação, que é feita por profissionais sempre atentos ao mercado, de análise, em conjunto com a comissão técnica permanente. Pessoas do departamento de futebol, profissionais, trabalham com isso. Até ontem, o coordenador, o mais graduado, era o vice. Mas todos os movimentos são feitos, no que diz respeito ao futebol, com participação do Caetano (executivo de futebol). Mudam as pessoas, o trabalho é o mesmo", explicou.

Internacional