Topo

Futebol


Com time em silêncio, Cruzeiro tenta encerrar sina no embalo dos ídolos

Ídolos como Alex, Aristzábal e Marcelo Ramos usaram as redes sociais para chamar torcida para o Mineirão - Cruzeiro/Divulgação
Ídolos como Alex, Aristzábal e Marcelo Ramos usaram as redes sociais para chamar torcida para o Mineirão Imagem: Cruzeiro/Divulgação

Enrico Bruno

Do UOL, em Belo Horizonte

28/11/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Cruzeiro enfrenta o CSA às 21h30 de hoje e precisa vencer para não se complicar mais
  • Time mineiro só venceu dois dos onze jogos contra concorrentes diretos pela permanência na Série A
  • Diretoria decretou toque de silêncio aos jogadores, e ídolos do passado convocaram torcida
  • Torcedor celeste deu resposta positiva e já garantiu mais de 25 mil ingressos para a decisão

Faltando quatro jogos para o fim do Brasileirão, o Cruzeiro entra em campo hoje (28), às 21h30, para receber o CSA no Mineirão. Brigando para não cair, a equipe celeste atravessa um péssimo momento na tabela, convivendo com frequentes protestos e com seu plantel proibido de dar entrevistas. Com o silêncio dos jogadores, coube aos ídolos do passado tentar trazer a torcida para o estádio e vencer o time alagoano. Apesar de não figurar na parte alta da tabela, o CSA pode representar muito perigo para a Raposa, que tem um baixíssimo rendimento justamente contra seus concorrentes diretos.

No final do primeiro turno, ainda comandado por Rogério Ceni, o Cruzeiro levou uma ducha de água fria ao sofrer o empate para o CSA já no apagar das luzes. Mas essa frustração não foi novidade quando o clube enfrentou outros candidatos ao descenso. Além do time alagoano, Ceará, Botafogo, Fluminense, Chapecoense e Avaí tiraram 20 pontos dos 33 disputados com a Raposa.

Contra seus principais concorrentes, o Cruzeiro só venceu duas vezes e empatou outras sete. O jogo de hoje será o último deles e é tratado como o mais importante nessa reta final, já que depois o Cruzeiro vai pegar o Vasco, Grêmio (ambos fora de casa) e encerrar o campeonato contra o Palmeiras, no Mineirão. Por isso, qualquer resultado diferente da vitória será tratado como catástrofe total.

Por causa da goleada sofrida pelo Santos no último sábado, a diretoria do Cruzeiro tomou algumas providências para blindar o elenco e ao mesmo tempo buscar apoio do torcedor. Até o fim do Brasileirão (ou até segunda ordem), os jogadores não falarão mais na saída de campo (exceto para a TV detentora), zona mista e nem antes do treinamento. Além disso, a cúpula celeste fez promoções de ingresso e comercializou bilhetes a partir de R$ 4. Sem o chamado dos jogadores, os craques do passado 'entraram em campo' para tentar ajudar a dar um gás no momento mais importante do ano.

De forma espontânea, Alex, Marcelo Ramos, Elivélton, Nonato, Aristzábal e Palhinha, entre outros ex-jogadores publicaram vídeos para convocar a torcida para apoiar o Cruzeiro contra o que seria o rebaixamento inédito. Alguns foram mais comedidos, outros fizeram duras críticas aos jogadores. Em comum, chamaram a torcida para comprar os ingressos, que antes estavam com as vendas desaquecidas, mas que agora já superam os 30 mil bilhetes vendidos.

Agora, chegou a hora de ver como o time irá responder dentro de campo. Além de mexer diretamente com o futuro da Raposa, o duelo também será decisivo para o CSA, que pode ter seu destino decretado no Brasileirão: de continuar lutando por um milagre ou de se contentar com o retorno à Série B.

FICHA TÉCNICA
CRUZEIRO x CSA

Motivo: 35ª rodada do Brasileirão
Data/Hora: 28/11/2019, às 21h30 (de Brasília)
Local: Mineirão, em Belo Horizonte (MG)
Árbitro: Vinicius Gonçalves Dias Araújo (SP)
Assistentes: Miguel Cataneo Ribeiro da Costa (SP) e Bruno Salgado Rizo (SP)
VAR: Rodrigo Guarizo Ferreira do Amaral (SP)

CRUZEIRO: Fábio; Orejuela, Cacá, Fabrício Bruno e Egídio (Dodô); Henrique, Éderson; Thiago Neves (Robinho), Marquinhos Gabriel, David; Sassá (Fred). Técnico: Abel Braga.

CSA: Jordi; Dawhan, Alan Costa, Luciano Castan e Rafinha; João Vitor (Nilton), Jean Cléber, Jonatan Gomes e Euller; Apodi e Ricardo Bueno. Técnico: Argel Fucks.

Futebol