Topo

Três anos após tragédia, Chapecoense é rebaixada pela 1ª vez no Brasileirão

Everaldo, da Chapecoense, lamenta chance perdida em partida contra o Botafogo - LIAMARA POLLI/AM PRESS & IMAGES/ESTADÃO CONTEÚDO
Everaldo, da Chapecoense, lamenta chance perdida em partida contra o Botafogo Imagem: LIAMARA POLLI/AM PRESS & IMAGES/ESTADÃO CONTEÚDO

José Edgar de Matos

Do UOL, em São Paulo (SP)

27/11/2019 21h24

A Chapecoense está rebaixada para a Série B do Campeonato Brasileiro. Três anos depois da tragédia que terminou com 71 mortos, em acidente na Colômbia, o clube catarinense voltou para a segunda divisão, depois de perder por 1 a 0 para o Botafogo, na Arena Condá, em duelo pela 35ª rodada da Série A. É a primeira queda do clube desde o acesso à elite do futebol nacional.

O resultado negativo em casa deixou a Chape com 28 pontos, nove a menos do que o Ceará, primeiro time fora da zona de rebaixamento. Com três jogos restando para o fim da participação na Série A, o clube catarinense igualaria os nordestinos, mas não ultrapassaria nos critérios de desempate.

A queda da Chapecoense representa o fim da passagem do futebol de Santa Catarina na divisão de elite do futebol nacional. O Avaí, rival do Corinthians na rodada desta quarta-feira, foi o primeiro rebaixado na competição. Em 2015, por exemplo, quatro clubes representaram o estado na Série A.

Além de Chapecoense e Avaí, Joinville e Figueirense também atuaram na Série A de 2015. Naquela edição, Joinville e Avaí caíram para o segundo escalão do futebol pentacampeão mundial.

O rebaixamento interrompe o trabalho de quase uma década na primeira divisão. A Chapecoense subiu em 2013, como vice-campeã do campeonato em que o Palmeiras retornou à elite. Desde então, alcançou patamares surpreendentes e chamou a atenção para o Oeste catarinense. Nos seis campeonatos, teve como melhor colocação o oitavo lugar de 2017.

Em 2015, a equipe disputou a primeira partida internacional, pela Copa Sul-Americana. No ano seguinte, chegou à final do mesmo torneio, mas uma tragédia mudou o rumo do clube.

O avião que levava a delegação para Colômbia caiu próximo à chegada no aeroporto de Medellín, local da então partida contra o Atlético Nacional. Entre jogadores, membros da comissão técnica, da diretoria, funcionários e jornalistas, 71 pessoas morreram.

Chapecoense rejeitou clemência

A equipe do Oeste Catarinense, sem elenco e vitimada pela tragédia, rejeitou uma proposta solidária dos outros clubes da Série A. A Chapecoense teria três anos de garantia na primeira divisão para se reerguer e voltar a atingir o nível de exigência de um Campeonato Brasileiro.

Sem aceitar a clemência dos adversários, a Chape se remontou com atletas emprestados por outros times e conseguiu se sustentar na elite do futebol nacional até esta temporada.

Foram seis anos competindo contra clubes de orçamentos muito maiores e a sombra da tragédia que vitimou todo um elenco. Em 2020, a Chapecoense terá que recomeçar mais uma vez.

Chapecoense