Topo

Sampaoli pode deixar Santos a uma vitória de igualar recorde estrangeiro

Jorge Sampaoli, técnico do Santos, durante o clássico contra o Corinthians - Daniel Vorley/AGIF
Jorge Sampaoli, técnico do Santos, durante o clássico contra o Corinthians Imagem: Daniel Vorley/AGIF

Eder Traskini

Colaboração para o UOL, em Santos

22/11/2019 12h00

O técnico Jorge Sampaoli está cada vez mais próximo de deixar o Santos em 2020 e pode sair do clube a apenas uma vitória de igualar o recorde de triunfos de um técnico estrangeiro no comando do Peixe, que pertence a outro argentino: Abel Picabéa, que dirigiu o Santos na década de 40.

Picabéa esteve à frente do Peixe em 71 jogos entre 1946 e 1947. Foram 38 vitórias, 15 empates e 18 derrotas. Sampaoli soma hoje 60 partidas, tendo vencido 32, empatado 15 e perdido 13. Mesmo que vença as cinco rodadas restantes do Brasileirão, o argentino ficaria a uma vitória do compatriota.

Abel Picabéa fez carreira no San Lorenzo (ARG) e encerrou a carreira no São Cristóvão, clube do Rio de Janeiro. Além do Peixe, ele treinou outros clubes no Brasil, como o próprio São Cristóvão, Palmeiras, Vasco, Portuguesa, Portuguesa Santista e América-MG. Fora do país, passou pelo Sporting (POR), Real Oviedo (ESP) e Sporting Gijón (ESP). Não chegou a vencer títulos importantes.

Sampaoli é o 15º técnico estrangeiro do Santos, sendo o terceiro argentino. Ele já atingiu a segunda colocação em termos de vitórias. Cinco uruguaios, dois italianos, um irlandês, um húngaro, um austríaco, um peruano e um paraguaio já dirigiram o Peixe.

O peruano Dario Letona ocupava a segunda colocação antes de Sampaoli, com 30 vitórias em 64 jogos, enquanto o austríaco Isaac Goldenberg era o terceiro colocado com 18 triunfos em 40 partidas.

Sampaoli ainda não tomou sua decisão, mas está incomodado com o desenho do planejamento do Santos para a temporada 2020, com um orçamento menor e necessidade de vender jogadores para equilibrar as contas. O argentino é apaixonado pela cidade e gostaria de atender aos pedidos dos torcedores para que continue no clube, motivo pelo qual ainda não anunciou sua decisão, mas entende que pode até perder a "idolatria" se seguir no Peixe dentro das condições apresentadas.

Santos