Topo

Futebol


Ex-Santos bancou super-herói e salvou filho de companheiro da morte em mala

Bruno Thadeu

Colaboração para o UOL, em Santos

22/11/2019 04h02

Domingos ganhou fama no futebol pela cara de "poucos amigos". Mas quis o destino que o zagueiro encarnasse o papel de super-herói na vida real. O defensor guarda recordação especial do dia em que salvou a vida de uma criança de 2 anos, que havia ficado presa dentro de uma mala.

O ano era 2008. O menino salvo se chama Robert, filho do ex-volante Roberto Brum, que jogou com Domingos no Santos. Então companheiros de elenco no Santos naquele ano, Domingos e Brum eram vizinhos em um bairro perto do estádio Vila Belmiro. A casa de Brum ficava ao lado da residência do zagueiro.

O filho do ex-volante brincava de esconde-esconde dentro de casa com a irmã, Brenda.

O menino de 2 anos se escondeu dentro de uma mala do pai. Brenda, então com oito anos, mexeu nos códigos da mala sem imaginar que se tratava de uma trava da bagagem. Era necessária uma senha numérica para destravá-la. A mala se fechou com o irmão dentro.

Naquele momento, os pais não estavam em casa. A única pessoa maior presente era Maria, que trabalhava na casa da família Brum. Maria não sabia a senha. "Jogador de futebol costuma ter bastante malas porque viaja com frequência. O meu filho estava brincando com a irmã e foi parar lá dentro. A secretária que trabalhava em casa não conseguia fazer o contato por telefone com a gente. E o meu filho começou a chorar", relembrou Brum, ao UOL Esporte.

Domingos (esq,) salvou filho de Roberto Brum da morte em Santos - Leandro Moraes/UOL
Domingos (esq,) salvou filho de Roberto Brum da morte em Santos
Imagem: Leandro Moraes/UOL

Desesperadas, Brenda e Maria gritaram pedindo ajuda à vizinhança. Companheiro de Brum no time do Santos, Domingos estava em casa quando ouviu o chamado por socorro.

"Eu ouvi uma gritaria. Fui olhar pela janela e era lá da casa do Brum", recordou o zagueiro, que já defendeu Santos, Grêmio, Portuguesa, entre outros clubes.

Domingos saiu em direção à residência de Brum. Ele entrou em disparada e notou que a mala teria de ser aberta à força. Domingos colocou o dedo na divisão da mala na tentativa de abri-la. O zagueiro acabou sofrendo corte profundo no dedo da mão direita, cuja cicatriz carrega até hoje.

Dentro da mala, Robert poderia ter morrido por asfixia. Domingos pensou em pegar uma faca para rasgar a mala. Mas a ideia foi abortada porque existia o risco de ferir o garoto.

O jogador novamente colocou a mão na divisória da mala. Desta vez, Domingos conseguiu arrebentar a mala ao meio. Robert estava desacordado.

"Não tinha muito tempo para abrir. Eu precisava arrancar o menino de lá de qualquer jeito. Quando eu consegui abrir, ele não respondia direito. Levei correndo ao chuveiro para ver se ele acordava. Ele foi melhorando aos poucos", explicou Domingos.

Hoje, com 13 anos, Robert tem vaga lembrança do drama que viveu. Brenda, atualmente com 19 anos, diz que aqueles minutos ainda estão vivos na memória:

"Eu me lembro do choro do meu irmão e aquela sensação de não saber o que fazer. A casa do Domingos era geminada com a nossa. Para nossa sorte, ele estava em casa na hora que pedimos ajuda. Imagine se ele não tivesse?".

Roberto Brum soube do episódio em sua residência quando o susto já havia terminado.

"Me contaram que meu filho estava roxo. O Domingos tirou força sabe lá de onde. Foi coisa de filme. Força do Hulk".

Foi presente divino, diz Brum

A relação entre Domingos e a família Brum se fortaleceu após o ocorrido. Domingos aceitou convites de Brum e passou a frequentar uma igreja evangélica em Santos.

Depois de encerrar a carreira, Brum abriu igreja em Petrópolis e virou pastor evangélico.

"Dias antes do meu filho ter ficado preso na mala, eu encontrei o Domingos chorando no vestiário. Ele tinha mostrado um exame que apontava um problema na coluna da filha dele. Caso de cirurgia. Naquele mesmo instante eu reuni o elenco e todos jogadores oraram ali mesmo no vestiário. Tempos depois, a filha do Domingos estava curada", diz o ex-meio-campista.

"Deus me usou para curar a filha do Domingos. E Deus usou o Domingos para salvar meu filho da morte", complementou.

Jogador e olheiro de atletas

Aos 33 anos, Domingos planeja jogar profissionalmente por mais dois anos. O zagueiro defendeu o Aparecidense/GO no primeiro semestre de 2019. Em seguida, Domingos chegou a acertar retorno à Portuguesa de Desportos, mas uma lesão inviabilizou a assinatura de contrato.

Atualmente sem clube, Domingos tem atuado como observador de atletas no Brasil para times árabes.

Futebol