Topo

Brincalhão e 'DJ do elenco', Guga ganha o Atlético-MG e almeja Olimpíada

Guga, lateral direito do Atlético-MG, sonha em jogar a Olimpíada em 2020 - Bruno Cantini/Atlético-MG
Guga, lateral direito do Atlético-MG, sonha em jogar a Olimpíada em 2020 Imagem: Bruno Cantini/Atlético-MG

Thiago Fernandes

Do UOL, em Belo Horizonte

22/11/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Com seu jeito brincalhão, Guga se tornou um dos xodós do elenco do Atlético-MG em 2019. Aos 21 anos, ele se dá bem até com os mais experientes
  • "Amigável", como ele mesmo se define, contou também com o lado musical aflorado para ganhar o grupo e virou o "DJ" do plantel
  • Lateral direito se tornou amigo do meio-campista Vinícius e costuma combinar dancinhas com ele no vestiário da Cidade do Galo
  • Mas não é só o extracampo que o deixa em voga no time. Segundo melhor garçom, ele sonha com a Olimpíada pela seleção brasileria

O riso fácil, o jeito brincalhão e o lado musical fizeram Guga se entrosar rapidamente com o elenco do Atlético-MG, repleto de ídolos do atleta de 21 anos. Contratado por R$ 7,5 milhões junto ao Avaí, o lateral direito se adaptou com facilidade à Cidade do Galo e, agora, sonha com a possibilidade de jogar a Olimpíada no Japão, em 2020.

Um dos mais jovens do elenco comandado por Vagner Mancini, teve a chance de se enturmar com experientes atletas. Réver, o capitão da equipe, é um de seus grandes amigos. Durante a entrevista concedida ao UOL Esporte, o zagueiro não parou de brincar com o garoto revelado nas divisões de base do Avaí.

"O grupo aqui é muito bom. Desde que cheguei, eles me acolheram muito bem. Os caras que via jogar na televisão, que acompanhava disputando grandes títulos, o Réver mesmo eu vi disputando a Libertadores e foi campeão com o Galo. Jogadores de grandes nomes. Já me enturmaram e a relação só melhora a cada dia. São caras que tenho certeza que vou levar para o resto da vida", afirmou Guga.

Mas não foi só a hospitalidade dos jogadores que fez Guga ganhar o grupo com facilidade. O carisma do lateral direito também ajudou. "Amigável", como ele mesmo se define, soube usar as suas virtudes para se tornar um dos xodós dos mais velhos do plantel.

"Cara, eu sou muito tranquilo com tudo, tento ter amizade com todo mundo, brinco com todo mundo. Graças a Deus, tenho amizade com todo mundo. Eu levo a minha vida de forma leve, independente de qualquer coisa. Eu tento ter boa relação com todos aqui. Sou muito amigável. Eu gosto de brincar, gosto de zoar. Eu sempre brinco com todo mundo", comentou.

Guga (e) ensaia músicas e danças com o amigo Vinícius (d) - Bruno Cantini/Divulgação/Atlético-MG
Guga (e) ensaia músicas e danças com o amigo Vinícius (d)
Imagem: Bruno Cantini/Divulgação/Atlético-MG

Diante da facilidade para fazer amizades, se tornou o "DJ" oficial do vestiário. Antes dos jogos, é Guga quem comanda o som e decide quais músicas animarão o elenco. O lateral direito ainda conta com a ajuda de um grande amigo: o meia-atacante Vinícius.

"Os caras aqui têm o costume de me chamar de DJ Guga. Sempre que vou para os jogos, eles me perguntam se estou levando a caixinha de som. Não é nem se estou bem para o jogo, se estou concentrado. A primeira pergunta é: 'está levando a caixinha?'. Aí fico responsável por colocar as músicas no vestiário", relatou o lateral direito, que ainda fez elogios ao "irmão" meio-campista:

"Tenho boa relação com todo mundo, principalmente com o Vinícius. A gente acabou ficando junto. Foi criando esse círculo de amizade muito forte. Eu o considero um amigo de verdade, um irmão. A gente se dá muito bem aqui, a gente sempre dança. Eu sempre tento levar uma leveza para dentro de campo. É uma profissão que a gente pode que a gente pode jogar com responsabilidade e diversão".

A boa relação fora de campo permitiu que Guga rendesse dentro das quatro linhas. Ele é o segundo maior garçom do time, com sete assistências, uma a menos que Juan Cazares e Luan. Em boa fase, o garoto tem um sonho alto: disputar uma Copa do Mundo.

"O meu sonho maior é jogar uma Copa do Mundo pela seleção brasileira. Claro que tenho muitos outros sonhos dentro deste ciclo. Para chegar lá, tenho que trilhar um caminho muito difícil. Tenho que abrir mão de muitas coisas e me dedicar sempre mais para chegar a um nível desse. E eu vou conseguir, se Deus quiser", declarou.

Mas não é só o Mundial que está na lista de objetivos de Guga. Figura constante nas convocações da seleção brasileira sub-23, ele pensa também em disputar os Jogos Olímpicos do Japão, em 2020.

"Meu pai e eu estávamos até falando sobre isso. Tem a pré-olímpica e a gente só pensa nisso: representar o nosso país em um campeonato muito importante, que é o pré-olímpico e a Olimpíada. Falta pouquinho para isso se realizar, mas a gente não pode acomodar, tem que realizar o trabalho para chegar bem e fazer acontecer. Essa oportunidade de representar o meu país é um sonho meu e dele, de toda a família, a gente só pensa nisso. A família toda está vendo passagem para o Japão. Está todo mundo ansioso para que eu possa disputar", concluiu.

Atlético-MG