Topo

Seleção Brasileira


Renovada, seleção joga melhor, bate a Coreia e encerra jejum de vitórias

Pedro Martins/MoWA Press
Imagem: Pedro Martins/MoWA Press

Bruno Grossi

Do UOL, em São Paulo

19/11/2019 12h22

Tite fez cinco mudanças no time titular, deixou a seleção brasileira mais leve e, assim, conseguiu encerrar a série de cinco partidas sem vitórias na temporada. E tudo isso com uma boa atuação para neutralizar o astro Son e bater a Coreia do Sul por 3 a 0 no amistoso disputado em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes.

Os gols foram marcados por Lucas Paquetá, Philippe Coutinho e Danilo. O segundo, anotado por Coutinho, fez com que fosse derrubado um jejum de cinco anos sem gols de falta na seleção brasileira. O último havia saído em 5 de setembro de 2014, dos pés de Neymar, contra a Colômbia.

A vitória tranquila e com boa atuação do Brasil aconteceu contra o rival de pior posição no ranking da Fifa desde a Copa América. Por outro lado, os sul-coreanos carregavam invencibilidade de nove partidas. Agora, a seleção brasileira só volta a campo em março do ano que vem, no início das Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022

Quem foi bem: Renan Lodi

O lateral-esquerdo foi o grande personagem da vitória brasileira. Suas ultrapassagens deixaram Philippe Coutinho menos isolado e renderam duas assistências: uma para Paquetá e uma para Danilo. A maior agressividade apresentada hoje tem relação direta com a presença de Lodi, cada vez mais maduro e distante do concorrente Alex Sandro.

Lateral-esquerdo deu suas duas primeiras assistências pela seleção brasileira no amistoso de hoje - Pedro Martins/MoWA Press
Lateral-esquerdo deu suas duas primeiras assistências pela seleção brasileira no amistoso de hoje
Imagem: Pedro Martins/MoWA Press

Quem foi mal: Richarlison

Escalado como centroavante após uma longa sequência atuando pelas pontas, Richarlison teve atuação bem abaixo dos demais companheiros. Nos minutos iniciais, ficou marcado por seguidos impedimentos infantis. Na etapa final, tentou simular pênalti e perdeu boa chance cara a cara com o goleiro.

Paquetá responde bem a críticas sobre a camisa 10

As críticas feitas pelo ex-jogador Rivaldo, que condenou a entrega da camisa 10 da seleção brasileira para Lucas Paquetá, foram rebatidas na bola no amistoso de hoje. O meio-campista do Milan, da Itália, teve bom desempenho e mostrou presença de área para se infiltrar entre os zagueiros coreanos e abrir o placar de cabeça em Abu Dhabi.

Atuação do Brasil

As mudanças feitas por Tite em relação ao amistoso de sexta-feira contra a Argentina deixaram a seleção brasileira mais agressiva. Isso passa pela renovação do time titular, já que as cinco trocas proporcionaram a entrada de atletas mais jovens dos que os titulares anteriores. E com mais fôlego foi possível se aproximar dos melhores tempos do Brasil com Tite.

Os meio-campistas não guardaram posição, trocaram passes rápidos e se arriscaram em infiltrações. Assim saiu o primeiro gol, com a entrada surpresa de Paquetá na área. Coutinho teve liberdade para flutuar da esquerda para o meio e Fabinho deu mais velocidade à saída de bola graças a passes mais verticais.

O terceiro gol, marcado por Danilo, é mais um símbolo dessa maior fluidez da equipe. A bola circulou com rapidez e precisão para abrir a defesa coreana e os dois laterais apareceram ao mesmo tempo no campo ofensivo. Na área, outros quatro jogadores. A vitória poderia ser mais elástica caso Richarlison e Gabriel Jesus estivessem em uma jornada melhor.

Philippe Coutinho marcou pela quinta vez no atual ciclo da seleção para a Copa do Mundo de 2022 - Pedro Martins/MowaPress
Philippe Coutinho marcou pela quinta vez no atual ciclo da seleção para a Copa do Mundo de 2022
Imagem: Pedro Martins/MowaPress

Atuação da Coreia do Sul

Refém dos lances de brilho de Son, do Tottenham, a Coreia do Sul criou pouco perigo para o goleiro Alisson. A atuação de Hwang Hee-Chan também merece destaque e mostra como a velocidade é indispensável para o time do português Paulo Bento. Até por isso a opção de Tite por uma equipe mais leve.

Cronologia do jogo

Com mais agressividade, a seleção brasileira conseguiu empurrar a Coreia para a defesa desde os primeiros minutos. A movimentação intensa, sobretudo no meio de campo, gerou mais espaços — e evidenciou a atuação letárgica contra a Argentina. Logo aos oito minutos, tirando proveito desse modelo de jogo, Paquetá abriu o placar.

A Coreia, liderada por Son, tentou sair mais para o ataque. O craque do Tottenham foi quase sempre bloqueado pelos defensores, que já recuperavam a bola e iniciavam os contragolpes. Ainda no primeiro tempo, Fabinho foi mais um a se projetar, sofreu falta e viu Philippe Coutinho convertê-la com categoria, aos 35 minutos.

Por fim, aos 15 minutos da etapa final, Danilo aproveitou belo passe para trás de Renan Lodi, no contrapé dos zagueiros coreanos, e bateu forte para fechar os 3 a 0. Houve tempo ainda para Richarlison perder dois de frente com o goleiro e para Tite promover as estreias do volante Douglas Luiz e do lateral-direito Emerson.

Público pequeno e portas abertas para quem se arriscou

As arquibancadas do estádio Mohammed Bin Zayed estavam praticamente vazias. Aglomerações de torcedores apenas nos setores laterais do campo. Com a partida já em andamento, a organização resolveu abrir um dos portões e houve um ligeiro aumento no público, ainda bastante tímido.

FICHA TÉCNICA:
BRASIL 3X0 COREIA DO SUL

Local: Estádio Mohammed Bin Zayed, em Abu Dhabi (Emirados Árabes)
Data/Hora: 19 de novembro de 2019, às 10h30 (de Brasília)
Árbitro: Ammar Al Jeneibi (Emirados Árabes)
Assistentes: Ahmed Al Rashidi e Jassem Abdulla Al Ali (ambos dos Emirados Árabes)
Cartões amarelos: Hwang Hee-Chan (Coreia do Sul)

Gols: Lucas Paquetá aos 8, Philippe Coutinho aos 35 minutos do primeiro tempo e Danilo aos 15 minutos do segundo tempo (Brasil).

BRASIL: Alisson, Danilo, Marquinhos, Militão e Renan Lodi (Emerson); Fabinho, Arthur (Douglas Luiz), Gabriel Jesus (Rodrygo), Lucas Paquetá (Roberto Firmino) e Philippe Coutinho; Richarlison. Técnico: Tite.

COREIA DO SUL: Jo Hyeon-Woo; Jung Woo-Young, Kim Young-Gwon e Kim Min-Jae; Kim Jin-Su, Ju Se-Jong (Hwang In-Beom), Kim Moon-Hwan e Lee Jae-Sung (Kwon Chang-Hoon); Son Heung-Min, Hwang Hee-Chan (Na Sang-Ho) e Hwang Ui-Jo. Técnico: Paulo Bento.

Seleção Brasileira