Topo

Futebol


De 'Novo Zidane' a sucessor Van Dijk: veja 10 destaques do Mundial sub-17

Kaio Jorge comemora gol pela seleção brasileira no Mundial sub-17 e é um dos destaques do torneio - SERGIO MORAES/REUTERS
Kaio Jorge comemora gol pela seleção brasileira no Mundial sub-17 e é um dos destaques do torneio Imagem: SERGIO MORAES/REUTERS

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

16/11/2019 04h00

O Brasil decide amanhã (17) o título do Mundial sub-17. Contra o México, o time de Guilherme Dalla Déa busca o tetracampeonato no torneio. E a competição mostrou uma série de promessas que logo estarão entre os principais destaques do futebol mundial.

Ainda jovens, muitos jogadores que desfilaram pelos campos brasileiros despertam curiosidade e carregam esperanças. Adil Aouchiche, da França, chamado de "novo Zidane" em seu país, ou o goleador Kaio Jorge, do Santos, o lateral holandês Ki-Jana Hoever, eleito como sucessor de Van Dijk dentro do Liverpool, ou o mexicano Efrain Álvarez, que arrancou elogios de Ibrahimovic.

Só um detalhe, porém: o atacante Talles Magno, do Vasco, mesmo com o conhecido destaque que teve no torneio, não entrou na listagem pois sofreu uma lesão muscular na coxa direita nas oitavas de final, disputando menos de quatro partidas completas na competição. Ainda assim, marcou dois gols. O critério estabelecido para a escolha dos destaques contempla o número de partidas e o desempenho da seleção da qual o jogador faz parte:

Conheça 10 destaques do torneio que termina neste fim de semana.

Kaio Jorge (Brasil)

SERGIO MORAES/REUTERS
Imagem: SERGIO MORAES/REUTERS

Kaio Jorge é a nova promessa dos Meninos da Vila. Formado no Santos, carrega a responsabilidade de nascer para o futebol na mesma equipe de Neymar, Robinho, Pelé... Com 17 anos, o centroavante já faz parte do elenco principal da equipe, tem cinco partidas disputadas e não deixou por menos no Mundial. Autor de quatro gols, um deles na semifinal contra a França, é o artilheiro do Brasil no torneio.

Ki-Jana Hoever (Holanda)

ANDREW BOYERS/Action Images via Reuters
Imagem: ANDREW BOYERS/Action Images via Reuters

Ki-Jana Hoever é lateral direito e também atua como zagueiro. A qualidade e a imposição física o garantiram destaque no Mundial sub-17, mas não apenas isso. Antes de ser peça fundamental na campanha da Holanda, que decidirá o terceiro lugar contra França, Hoever conquistou Jurgen Klopp no Liverpool. Com apenas 17 anos, ele é conhecido como "novo Van Dijk" por lá e estreou no time principal marcando um gol, contra o MK Dons, pela Copa da Liga Inglesa.

Diego Duarte (Paraguai)

Maddie Meyer/FIFA via Getty Images
Imagem: Maddie Meyer/FIFA via Getty Images

Diego Duarte tem larga trajetória em seleções de base do Paraguai. O centroavante do Olimpia já mostrou faro artilheiro no Sul-Americano sub-15 de 2017, quando fez sete gols em cinco jogos. No Sul-Americano sub-17 deste ano marcou dois em nove jogos e no Mundial marcou quatro gols em quatro partidas. Com 13 gols em sua trajetória na base paraguaia, ele está a apenas um de igualar o recorde de artilharia em times inferiores da seleção, de Julio César Romero, que dura desde 1979.

Sontje Hansen (Holanda)

SERGIO MORAES/REUTERS
Imagem: SERGIO MORAES/REUTERS

A Holanda chegou até a fase semifinal do Mundial sub-17 muito por conta de um jogador: Sontje Hansen. Autor de seis gols, ele é o artilheiro da competição até o momento. Além disso, deu três assistências na competição. Cria da base do Ajax, rápido e driblador, o atacante de velocidade é uma das principais promessas do país.

Adil Aouchiche (França)

GEOFFROY VAN DER HASSELT/AFP
Imagem: GEOFFROY VAN DER HASSELT/AFP

De origem argelina, meio-campista de refino técnico, autor de sete assistências e um gol no Mundial sub-17. Sobram motivos para uma comparação "pesada", mas recorrente, para Adil Aouchiche. A promessa do PSG é chamada de "novo Zidane". O futuro craque estreou no principal do time de Neymar na vitória sobre o Metz, pelo Campeonato Francês. Contra o Brasil, na semifinal, ditou o ritmo da equipe, que sofreu a virada e disputará o terceiro lugar contra Holanda.

Isaac Lihadji (França)

SERGIO MORAES/REUTERS
Imagem: SERGIO MORAES/REUTERS

Rápido, driblador, com o faro do gol. Este é Isaac Lihadji, extrema que atua tanto pela direita quanto pela esquerda. O francês, autor de três gols no Mundial sub-17, mostrou qualidade e personalidade a ponto de já ter recebido duas oportunidades no time principal do Olympique de Marselha. Encarou Amiens e Dijon pelo Campeonato Francês.

João Peglow (Brasil)

SERGIO MORAES/REUTERS
Imagem: SERGIO MORAES/REUTERS

Autor de dois gols na estreia da seleção brasileira no torneio, e de um importante gol contra Itália, João Peglow se apresentou como uma alternativa para qualquer função ofensiva da equipe. Atuando tanto aberto quanto centralizado, o meia-atacante do Internacional distribuiu bons passes e cruzamentos, batidas firmes e fez boas jogadas ao longo do torneio. Agradou tanto que subirá ao principal do time gaúcho na temporada 2020.

Efrain Álvarez (México)

SERGIO MORAES/REUTERS
Imagem: SERGIO MORAES/REUTERS

Norte-americano naturalizado mexicano, Efrain Álvarez tem um fã de peso no futebol. Colega de time na última temporada, a primeira em que o jovem de 17 anos fez parte do elenco principal do Los Angeles Galaxy na MLS (Liga norte-americana), o sueco Zlatan Ibrahimovic não pensou duas vezes e o definiu como promessa mais talentosa do torneio. No Mundial sub-17 ele já marcou quatro vezes e guiou o México à decisão contra o Brasil marcando um gol contra a Holanda na semi.

Santiago Muñoz (México)

SERGIO MORAES/Reuters
Imagem: SERGIO MORAES/Reuters

O atacante Santiago Muñoz também ganhou destaque na seleção finalista do Mundial sub-17. Autor de um dos gols contra o Japão, o jogador do Santos Laguna alterna posicionamentos de centroavante e meia. É responsável pela criação de jogadas e costuma preocupar as defesas rivais. Curiosamente, Muñoz, a exemplo de Álvarez, também nasceu nos Estados Unidos.

Gabriel Veron (Brasil)

Gabriel Veron, do Palmeiras, em ação pela seleção sub-17 - SERGIO MORAES/REUTERS
Gabriel Veron, do Palmeiras, em ação pela seleção sub-17
Imagem: SERGIO MORAES/REUTERS

Extrema pela direita, com velocidade, drible e uma ótima visão de jogo. Este é Gabriel Veron, da seleção brasileira e do Palmeiras. Observado por Mano Menezes para receber oportunidades no elenco principal, ele distribuiu bons passes e cruzamentos ao longo do Mundial sub-17. Além disso, se firmou como um dos responsáveis pela boa campanha da seleção.

Futebol