Topo

Brasileirão - 2019


Blogueiros: Levar 4 de um time inferior é alerta para o Fla se preocupar?

Bruno Henrique e Guarín, durante partida entre Flamengo e Vasco -  Thiago Ribeiro/AGIF
Bruno Henrique e Guarín, durante partida entre Flamengo e Vasco Imagem: Thiago Ribeiro/AGIF

Do UOL, em Santos (SP)

14/11/2019 14h10

Resumo da notícia

  • Flamengo e Vasco fizeram um jogo de oito gols no Maracanã
  • Quantidade de gols sofrida pelo Flamengo serve como alerta?
  • "A agressividade é ótima, mas não existe bônus sem ônus", diz PVC
  • "O Flamengo mostrou alguns pontos fracos", analisa Julio Gomes

Flamengo e Vasco fizeram na noite de ontem (13) um clássico pra lá de memorável no Maracanã. Foram duas viradas, oito gols e um empate por 4 a 4 que, se por um lado não foi brilhante tecnicamente, por outro sobrou em emoção.

Favorito para o confronto, o Flamengo sofreu mais do que o habitual e teve uma atuação abaixo da média, inclusive com falhas defensivas que permitiram quatro gols de uma equipe que ainda não havia balançado as redes tantas vezes em um só jogo nesse Brasileiro.

Diante dessas afirmações, fizemos duas perguntas aos blogueiros do UOL Esporte relacionadas ao clássico. Confira abaixo:

Levar quatro gols de um time inferior é um alerta pro Flamengo se preocupar?

JUCA KFOURI

Sem dúvida. A dupla de zaga revelou fragilidades que certamente os adversários tentarão explorar.

Leia o blog do Juca.

JULIO GOMES

Sem dúvida. O Flamengo deu uma desligada após chegar à final da Libertadores e praticamente garantir o Brasileiro, mas essa falta de foco não deverá ser problema contra o River. Preocupa, sim, o excesso de espaços. O Flamengo mostrou alguns pontos fracos nas últimas rodadas, e Gallardo certamente está de olho nisso.

Leia o blog do Julio Gomes.

MARCEL RIZZO

Flamengo é superior hoje a qualquer time brasileiro, mas há um momento em que queda de rendimento é normal ainda mais levando em conta a gordura que criou no Brasileiro. Não tem como elenco e até comissão técnica não estarem já com a cabeça no River Plate. Acho natural que o time venha encontrando um pouco mais de dificuldade também porque hoje em dia o futebol é muito estudado e treinadores estão encontrando maneiras de dificultar Jorge Jesus. Sim, há bons profissionais em outros times brasileiros.

Leia o blog do Marcel Rizzo.

MENON

Sim, e havia levado dois do Goiás. O que me surpreendeu foi a péssima partida de Marí. Foi humilhado por Pikachu e falhou também no terceiro gol.

Leia o blog do Menon.

PERRONE

Levar quatro gols do Vasco ou do Liverpool é para se preocupar. Time forte não pode achar normal levar quatro gols. Seja de quem for.

Leia o blog do Perrone.

PVC

É. O Flamengo tem permitido a seus adversários, pelo menos uma vez por jogo, ficar no mano a mano com seus zagueiros. Sofreu 16 finalizações do Goiás, 7 certas do Athletico Paranaense e seis no alvo do Vasco. A agressividade é ótima. Mas não existe bônus sem ônus. Se sobe a marcação, sobra espaço atrás.

Leia o blog do PVC.

RENATO MAURÍCIO PRADO

O jogo com o Vasco foi um belo alerta para o Flamengo no sentido de que o time não pode deixar de jogar bem compactado, marcando o adversário em seu próprio campo e buscando roubar a bola tão logo a perca. Ao fazer um gol com menos de um minuto, o time de Jesus, nitidamente relaxou, afrouxando a marcação, na certeza de que os outros gols sairiam naturalmente e a vitória era certa. Os espaços entre a defesa, o meio-campo e o ataque apareceram e por ali o Vasco cresceu e endureceu o duelo. De certa forma, o clássico foi um belo alerta para o Flamengo, antes da decisão da Libertadores. Resta saber se o rubro-negro ainda tem pernas para voltar a jogar na intensidade necessária contra o River Plate.

Leia o blog do Renato Maurício Prado.

Flamengo x Vasco é um exemplo de que o tão pedido resgate de futebol ofensivo no Brasil tem solução, ou muitos gols são oriundos de falhas?

JUCA KFOURI

Gols sempre são oriundos de falhas. A coragem do Vasco mostrou que vale a pena buscar o gol.

JULIO GOMES

Houve muitas falhas do lado do Flamengo, mas não foi aquele 4 a 4 baseado em falhas. As falhas muitas vezes são geradas pela agressividade e volume apresentados pelo oponente. Chamar de resgate talvez seja forte demais, mas é fato que 2019 é o ano que ficará marcado pela passagem de técnicos aqui nos mostrando que dá para jogar futebol de outro jeito - o velho jeito. E há técnicos aqui capazes de trabalhar assim. Se vai virar tendência, só saberemos daqui a alguns anos.

MARCEL RIZZO

O Flamengo tem como tática atacar, independentemente da vantagem no placar — um dos legados de Jorge Jesus por aqui. Acho que ontem especificamente o Vasco soube aproveitar justamente esse ímpeto ofensivo, o neutralizando e apostando em falhas defensivas do adversário como nenhum outro rival fez até agora. Méritos do Luxemburgo.

MENON

Foi um jogo bacana, mostrou que é possível sempre buscar a vitória em vez de se programar apenas para o gasto. Faz um gol, recua. Terrível. As falhas ocorreram sim, mas antigamente também se falhava.

PERRONE

As duas coisas. As falhas ajudaram, mas é uma demonstração de que dá pra buscar os gols com mais vontade do que costuma acontecer por aqui.

PVC

Todo gol tem alguma falha. Acho que vale mais olhar para a estratégia dos dois lados. Houve mérito de Rossi e Pikachu na jogada do gol de Marcos Júnior, falha de Rafinha. Houve mérito de Marrony na jogada do primeiro gol, falha de Rodrigo Caio. Houve falha da zaga do Vasco, que marcava Vitinho com três e, mesmo assim, foi driblada antes do cruzamento para Bruno Henrique marcar. Filipe Luís disse no Bola da Vez, da ESPN Brasil, que o que o surpreende aqui é como mesmo os pequenos clubes atacam. A questão não é o resgate do futebol ofensivo. É o cuidado com a diminuição dos espaços e a criação das estratégias ofensivas. O jogo teve as duas coisas.

RENATO MAURÍCIO PRADO

É sempre ótimo ver futebol quando os dois times jogam ofensivamente, como aconteceu nesse Flamengo e Vasco. E quando acontece uma partida de oito gols, então, o espetáculo é inesquecível. É esse tipo de jogo que provoca a paixão do torcedor e não aquele de ficar o tempo todo se defendendo, esperando uma bola vadia para ganhar no contra-ataque. Quanto às falhas, elas fazem parte do esporte. É injusto atribuir a elas os oito gols e o clima eletrizante do clássico.