Topo

D'Alessandro despista sobre renovação e explica reação a vaias da torcida

D"Alessandro pediu apoio dos torcedores na partida contra o Fluminense, no último domingo - Ricardo Duarte/Inter
D'Alessandro pediu apoio dos torcedores na partida contra o Fluminense, no último domingo Imagem: Ricardo Duarte/Inter

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

12/11/2019 12h00

Resumo da notícia

  • D'Alessandro despistou sobre sua renovação de contrato, em entrevista coletiva.
  • O jogador disse que irá decidir se fica ou não mais uma temporada no Inter ao fim do ano.
  • Ele ainda explicou sua reação ao ver o protesto das torcidas organizadas contra o time no jogo contra o Fluminense.
  • Enquanto alguns torcedores vaiavam os atletas, ele pediu aplauso dos demais setores do estádio e foi atendido.
  • Segundo o jogador, a atitude foi para defender o grupo de uma manifestação que não ajudaria em nada.

Em entrevista coletiva no lançamento da edição 2019 do Lance de Craque, ontem, D'Alessandro despistou sobre sua renovação de contrato com Inter. O meia argentino ainda explicou a reação que teve no jogo de domingo, quando viu o protesto da torcida contra os jogadores do time.

Os aficionados de organizadas gritavam contra os jogadores, entoando músicas como "time sem vergonha" e "tem que ter raça pra jogar no Beira-Rio" antes mesmo da bola rolar para o duelo com Fluminense. D'Alessandro chamou o restante do estádio para apoiar e pediu para que os gritos a favor abafassem os contra.

"Eu nunca vou concordar, e não é a primeira vez, com a torcida quando não temos o apoio deles. Precisamos deles. Não vou concordar com eles quando eles fazem uma convocação para insultar o meu grupo. Falo meu grupo porque sou um dos líderes. Não posso deixar passar uma manifestação num jogo tão importante para nós, onde nós precisávamos do apoio deles, e fomos vaiados no aquecimento e antes de começar o jogo. Não posso deixar passar. Podem concordar comigo ou não, como eu concordo ou não com a torcida. Mas volto a repetir, não acho que sou mais importante que o clube, mas preciso defender meu grupo lá dentro. Como faço com arbitragem e adversários, e às vezes passo do limite. Com todo respeito, eu precisava defender meu grupo contra uma manifestação que não seria positiva para nós, que não era boa, e que nunca vou concordar", disse.

D'Alessandro fez isso antes do jogo e na saída de campo após o primeiro tempo repetiu a dose. Os protestos das organizadas seguiram até o fim do jogo, mas os torcedores sem ligação a qualquer grupo aplaudiram a ação do meia e vaiaram os que protestavam.

"Nós precisamos do torcedor, e o torcedor que queria apoiar se manifestou. Se não conseguíssemos o objetivo, aceitamos vaia, cobrança, faz parte do trabalho. E temos que saber que o rendimento baixou um pouco, temos que reconhecer. Mas empenho não falta, briga não falta, dedicação não falta. Treinamos muito. A maior responsabilidade é nossa, o treinador chegou há 17 dias, teve que fazer cinco jogos, muitas vezes sem poder treinar o time. O torcedor tem que entender o momento do clube. E torcer na boa é fácil, mas torcer na ruim é quando quero ver aparecer o torcedor. Espero que eles entendam minha manifestação. Vou cobrar meu grupo dentro do vestiário, lá fora vou defender à morte", completou.

Ricardo Duarte | Lance de Craque Divulgação
Imagem: Ricardo Duarte | Lance de Craque Divulgação

Renovação no fim do ano

Sobre a necessidade de renovar contrato, D'Alessandro despistou. Como informou o UOL Esporte, ele irá debater com a direção do clube a prorrogação do vínculo que vence ao fim da temporada apenas no encerramento do ano.

"Tem uma realidade contratual. Eu fico sem contrato a partir de 30 de dezembro, eu sei das intenções do clube e vou pensar bem o que quero e vou fazer. O agradecimento ao Inter por mim é muito grande. Não preciso falar o sentimento que tenho pelo clube. Tento, e demonstrei há muito tempo o que eu sinto sendo parte da história de um clube tão grande. Vamos ver o que eu vou fazer. Até 30 de dezembro sou atleta do Inter e a partir daí vou ver minha ideia, decisão. Falar com a minha família e ver o que eu vou decidir", disse.

A possível chegada de Eduardo Coudet pode pesar na permanência. Amigo pessoal do treinador, D'Alessandro poderia renovar para trabalhar com ele no último ano de sua carreira.

Internacional