PUBLICIDADE
Topo

Ídolo do Porto revela "previsão ousada" de Carlos Alberto: "falou e fez"

Carlos Alberto comemora gol pelo Porto na final da Liga dos Campeões de 2004 - Tony Marshall/EMPICS via Getty Images
Carlos Alberto comemora gol pelo Porto na final da Liga dos Campeões de 2004 Imagem: Tony Marshall/EMPICS via Getty Images

Marcello De Vico e Vanderlei Lima

Do UOL, em Santos (SP)

10/11/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Ídolo do Porto, Vitor Baía conversou com o UOL Esporte sobre Carlos Alberto
  • Ex-goleiro elogiou o ex-companheiro e recordou uma 'previsão ousada' de gol
  • "Olha, vou explicar pra você como vou fazer o primeiro gol", disse o ex-meia
  • Vitor Baía lamentou que Carlos Alberto não tenha tido mais sucesso na carreira

Há exatos 15 anos, o Porto, à época comandado por José Mourinho, marcava mais uma vez seu nome na história da Liga dos Campeões com o título conquistado na temporada 2003/04 após uma sonora vitória sobre o Monaco, por 3 a 0. E dois brasileiros tiveram participação fundamental na decisão: Carlos Alberto, que abriu o placar aos 39min de jogo, e Deco, que fez o segundo aos 16 da etapa final - o russo Alenichev fechou a conta.

Pouca gente sabe, porém, que o brasileiro que hoje é comentarista da Fox Sports previu o gol que faria na grande final, pouco antes de as equipes adentrarem o gramado da Arena AufSchalke, em Gelsenkirchen, na Alemanha. Quem fez a revelação foi Vitor Baía, ídolo do Porto e goleiro titular do time português naquela decisão, em entrevista exclusiva ao UOL Esporte.

Hoje apresentador do Canal 11, de Portugal, Vitor Baía se lembra com carinho dos brasileiros que ajudaram o Porto a conquistar a sua segunda Liga dos Campeões da história - a primeira havia sido em 1986/87, sobre o Bayern de Munique. Para o ex-goleiro, Carlos Alberto fazia a diferença no time que passou por Manchester United (oitavas, 3 a 2), Lyon (quartas, 4 a 2) e La Coruña (semi, 1 a 0) antes de alcançar a grande decisão.

"Fazia [a diferença], porque ele era irreverente, humilde, trazia uma alegria contagiante ao nosso vestiário, e ele era importante porque arriscava, não tinha medo. A juventude te dá essa oportunidade", conta Vitor Baía, para depois lembrar a divertida previsão feita por Carlos Alberto, que acertou um lindo chute de dentro da área para abrir o placar no confronto.

"Me lembro que estávamos no vestiário na final da Champions e ele vira pra mim e fala: 'olha, eu vou explicar pra você como vou fazer o primeiro gol', e todos deram risada. Imagina isso numa final de Champions... E ele faz o primeiro gol exatamente como ele falou", lembra.

"Tinha o Deco também, que era um grande craque. O Derlei também era muito bom, mas os principais eram o Carlos Alberto e o Deco", acrescenta o ex-arqueiro, hoje com 50 anos.

Carlos Alberto (esq) dividiu escalação com Vitor Baía (dir.) em temporada vitoriosa do Porto em 2004 - John Walton - PA Images via Getty Images
Carlos Alberto (esq) dividiu escalação com Vitor Baía (dir.) em temporada vitoriosa do Porto em 2004
Imagem: John Walton - PA Images via Getty Images

Vitor Baía ressalta, porém, que, em sua opinião, que o ex-companheiro de equipe perdeu a oportunidade de ter tido ainda mais sucesso ao longo da carreira. E dá seus motivos.

"Joguei com o Carlos Alberto no início da carreira dele. Era um talento, um jogador com uma qualidade tremenda. Foi uma pena que ele não tenha dado seguimento ao mesmo sucesso nos demais clubes da carreira. Às vezes, no futebol, nós não estamos rodeados das melhores pessoas, e isso pode nos prejudicar. O Carlos Alberto era um talento e é uma excelente pessoa", completa Vitor Baía.

Futebol