Topo

Esporte


Jornal aponta indícios de lavagem de dinheiro em fundação de Lionel Messi

Fundação e empresa que administra contratos de Messi são gerenciadas por pai de astro, Jorge (foto) - Josep Lago/AFP
Fundação e empresa que administra contratos de Messi são gerenciadas por pai de astro, Jorge (foto) Imagem: Josep Lago/AFP

Do UOL, em São Paulo

04/11/2019 17h35

De acordo com o jornal argentino La Nación, novos documentos poderão agravar recentes acusações de lavagem de dinheiro contra Lionel Messi e seu pai, Jorge Messi. Segundo a publicação, a Fundação Leo Messi transferiu fundos "sistematicamente" da Espanha para a Argentina nos últimos sete anos, de forma a maquiar vencimentos do camisa 10 do Barcelona.

"Após analisar centenas de movimentações bancárias, livros contábeis e outros registros, verificou-se que, em uma amostra de 364 cheques assinados pela entidade entre 2012 e 2018, a fundação dedicou apenas 6% de seus fundos a atividades beneficentes", descreveu o diário, citando "fontes judiciais". "A maioria dos recursos (...) saiu de seus cofres para despesas que não foram detalhadas pela família Messi", acrescenta.

A principal hipótese das autoridades argentinas é de que a Fundação Leo Messi, com sede na cidade argentina de Rosário, é usada como ferramenta do jogador para sonegar impostos sobre seus contratos na Espanha. A empresa Limecu S.A., que administra contratos do astro, também é investigada. As duas são gerenciadas por Jorge Messi.

Desde 2013, segundo o La Nación, a Limecu S.A. movimentou cerca de US$ 200 milhões. A empresa aparece frequentemente como destinatária de fundos transferidos a partir da fundação - entre 2013 e 2016, foram pelo menos 16 cheques da fundação destinados à Limecu e a familiares do jogador.

As informações oficiais da Fundação Messi já estão nas mãos do juiz Ariel Lijo, responsável pelo caso de denúncias de lavagem de dinheiro e evasão de divisas. O promotor Ramiro González já havia solicitado em outubro a quebra do sigilo fiscal de Messi, de suas empresas e de sua fundação.

Em 2017, Messi e seu pai já foram condenados na Espanha por crime fiscal. A Justiça do país entendeu na ocasião que o jogador ocultou parte de sua renda oriunda de direitos de imagem sob uma falsa transferência para empresas que foram criadas pela família para pagar menos impostos.

Procurada pelo jornal argentino, a defesa de Messi diz que nenhuma instituição ligada à família cometeu crimes. "É uma campanha na mídia de um grupo de pessoas que querem receber dinheiro da família. Todas as contas da fundação são muito transparentes", informaram os advogados.

Conheça o mini Messi da Nigéria: Eche de 11 anos!

Ruptly

Esporte