Topo

Pressionado pela zona de rebaixamento, Marcão não banca permanência no Flu

Caio Blois

Do UOL, no Rio de Janeiro

02/11/2019 22h05

O Fluminense não saiu do zero contra o Vasco e segue na zona de rebaixamento. Pressionado pela tabela e pelos cinco jogos sem vencer, o Tricolor esbarrou na própria falta de pontaria. Foram 20 chances criadas e mais uma vez, a equipe não balançou as redes. Balançando no cargo, Marcão deu declaração lacônica, dizendo preferir não escolher função para ajudar o clube, e se colocou à disposição, deixando seu futuro em aberto. A declaração soou estranha, já que o treinador não se bancou no cargo que exerce, citando o que ocupava antes de ser promovido.

"Eu estou trabalhando. Trabalhando. Trabalhando. Trabalhando. Pensando já no próximo adversário. Fizemos um grande jogo, lógico que queria a vitória, mas não conseguimos. Deixo essa questão para você perguntar aos nossos dirigentes. O Marcão está aqui para ajudar da melhor maneira possível. Dentro, comandando ou como auxiliar. Da maneira que for preciso, o Marcão vai estar à disposição do clube", declarou.

O técnico viu o Flu melhor na partida, e falou sobre a estratégia que escolheu para o jogo. Para ele, o elenco cumpriu à risca todas as instruções e teve boa atuação, mas faltou o gol.

"Nossa equipe, tudo o que treinamos, observamos da equipe do Vasco, conseguimos em um treino tático da equipe colocar no jogo hoje. Em um clássico, nosso time foi corajoso e teve a posse de bola no campo deles. Infelizmente não conseguimos transformar a superioridade em gol. Tivemos mais de 70% de posse de bola no primeiro tempo, foi uma atuação forte. Sabíamos que o segundo tempo seria diferente, mais difícil, mas também tivemos boa atuação, só não conseguimos transformar as chances criadas em gols", analisou.

As chances perdidas vem sendo uma tônica no Fluminense, que fez apenas dois gols nos últimos cinco jogos. Marcão afirmou que os jogadores vem treinando cada vez mais finalizações, mas precisarão de ainda mais empenho.

"Treino, treino, treino e treino. Nós nos cobramos muito. Eles tem treinado, tem feito, mas se não está dando certo, vamos fazer mais ainda. O difícil é criar. Quando você joga contra times que têm linhas baixas, esse é o difícil. A gente espera que o gol saia, mas o gol não está saindo", declarou.

Para o treinador, a parte difícil para uma equipe que não vem tendo boa produção ofensiva é criar chances. E isso, em sua opinião, o Flu tem feito. O problema é que a bola insiste em não entrar. Apesar disso, quando pode, Marcão optou por Nenê e não João Pedro na equipe, que claramente sentia falta de um centroavante.

"Na verdade, a hora de colocar para dentro não está funcionando. Vamos ter que simular treinamentos dessa maneira, para que os atacantes estejam bem para marcar. O Ganso fez uma grande partida na nossa opinião. Tudo o que treinamos ele fez. A intensidade, no fim do segundo tempo, cobrou um pouco, precisamos do comprometimento de todos, e por isso que tirei ele e coloquei o Nenê, mantendo a intensidade e a marcação em cima. Temos que dar o parabéns pelo comprometimento e responsabilidade que estão tratando essa situação difícil que o clube vive", opinou.

Com 31 pontos, o Fluminense segue na 17ª colocação do Campeonato Brasileiro e não venceu nas últimas cinco partidas. Apesar disso e do doloroso empate, Marcão viu um Tricolor bem postado em campo, e declarou que a equipe fez tudo o que foi programado.

"A resposta foi muito positiva. Tudo o que programamos deu certo. O Daniel foi acima da média, ele cumpriu tudo, foi perfeito. O Ganso jogou bem. Quando a vitória não vem, causa algumas questões, preocupações, mas tenho total consciência que tudo que foi feito, fizeram da melhor maneira. Confundiram a equipe do Vasco, o Luxemburgo teve que fazer duas substituições no intervalo. Tudo foi feito como esperávamos, infelizmente faltou o resultado. Vamos tentar corrigir detalhes para os próximos jogos".

Fluminense