Topo

Futebol


Conmebol estuda mudar final da Libertadores após onda de protestos no Chile

Policial chuta lata de gás lacrimogênio durante protestos em Santiago, no Chile - Edgard Garrido/Reuters
Policial chuta lata de gás lacrimogênio durante protestos em Santiago, no Chile Imagem: Edgard Garrido/Reuters

Do UOL, em São Paulo

20/10/2019 14h23Atualizada em 20/10/2019 14h56

As manifestações que tomaram o Chile ao longo da semana preocupam a cúpula da Conmebol, que estuda mudar o palco da final única da Libertadores, em Santiago, para outra cidade. O país encontra-se em estado de emergência. Em nota oficial, divulgada hoje, a entidade diz que leva em consideração a segurança de "jogadores, clubes, torcedores e meios de comunicação envolvidos" no torneio.

"A Conmebol se encontra em permanente contato com as autoridades e demais envolvidos na realização da final única em Santiago do Chile", diz a nota.

Em entrevista ao jornal El Mercurio, o Secretário-Geral da Conmebol, Gonzalo Belloso, admitiu que a situação no país vem sendo monitorada: "É inquietante o que está acontecendo lá, mas na segunda-feira vamos analisar a situação."

O jornal questionou sobre a possibilidade de trocar a sede da final, marcada para o dia 23 de novembro. Em resposta, Belloso disse que os dirigentes devem se decidir "na reunião de amanhã".

Este é o primeiro ano que a Libertadores contará com uma final única, a exemplo do que é feito por competições promovidas pela Uefa, como a Champions League, em sede definida com mais de ano de antecedência.

Confira a íntegra da nota divulgada:

"A Conmebol reafirma seu compromisso de disputar a final única da Libertadores 2019 em data, local e hora estipulados inicialmente.

A Conmebol se encontra em permanente contato com as autoridades e demais envolvidos na realização da final única em Santiago do Chile.

Continuaremos analisando o caso e tomaremos em conta a segurança dos clubes, jogadores, torcedores e meios de comunicação envolvidos, para que o único protagonista seja o futebol sul-americano, em encontro que deve coroar o novo campeão continental."

Manifestações colocam Exército nas ruas

Os protestos no Chile se iniciaram esta semana com reclamações sobre o aumento no preço das passagens de metrô em Santiago. As manifestações tomaram conta do resto do país e logo assumiram outras demandas, com muitas críticas ao governo de Sebastián Piñera.

Hoje o Exército foi acionado para conter os manifestantes — é a primeira vez que soldados realizam uma patrulha na capital chilena desde o fim da ditadura de Augusto Pinochet. A onda de protestos já deixou três mortos e diversos pontos destruídos.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Futebol