Topo

Em colisão com Mattos, Mancha recebe mais R$ 2,7 mi da Crefisa para desfile

Mariana Pekin/UOL
Imagem: Mariana Pekin/UOL

José Edgar de Matos

Do UOL, em São Paulo (SP)

16/10/2019 14h08

Ontem (15), dia em que o UOL Esporte revelou que Alexandre Mattos, diretor de futebol do Palmeiras, acionou a Justiça contra o diretor executivo da Mancha Verde, André Guerra, a organizada recebeu R$ 630 mil da Crefisa, patrocinadora do clube, via Lei Rouanet. A empresa do casal Leila Pereira e José Roberto Lamacchia novamente incentiva o Carnaval da escola de samba ligada à torcida, campeã dos desfiles de São Paulo neste ano.

O valor de R$ 630 mil é o quarto incentivo recebido pela Mancha da patrocinadora palmeirense. Desde julho, todo dia 15 (com exceção a setembro, que o pagamento ocorreu dia 16), a Crefisa paga mensalmente um valor do acordo firmado por intermédio da lei de incentivo. As informações foram acessadas pelo UOL Esporte após consulta à Secretaria Especial da Cultura.

O primeiro aporte foi de R$ 800 mil. Em agosto e setembro, a empresa de Leila Pereira destinou R$ 630 mil para incentivar o Carnaval da Mancha Verde. No total, a escola de samba da torcida organizada palmeirense captou R$ 2,690 milhões para o desfile do ano que vem. O projeto aprovado alcança a casa dos R$ 4 milhões.

O pagamento de ontem ocorre no pior momento da relação entre Alexandre Mattos e a principal torcida do Palmeiras. O dirigente exige explicações de André Guerra pelas acusações feitas em relação ao seu trabalho; a torcida cobra a saída do diretor palmeirense. O cartola ainda relatou uma possível ameaça produzida pela Mancha.

Segundo a ação, a torcida enviou flores para a casa de Mattos, endereçadas à esposa do profissional, com um bilhete escrito "Minha Vida, com amor", com as iniciais da torcida grifadas.

Crefisa pagou quatro parcelas do acordo via Lei Rouanet - Reprodução
Crefisa pagou quatro parcelas do acordo via Lei Rouanet
Imagem: Reprodução

A ação imposta por Mattos serve como uma intimação para Guerra comprovar as acusações feitas, como a utilização de termos como "ladrão", "falcatruas" e "vem roubando o Palmeiras" nos protestos promovidos pela organizada. O diretor pode, posteriormente, processar o líder da Mancha Verde por calúnia, injúria ou até ameaça, no caso das flores.

O processo coloca a Crefisa no meio da disputa entre o dirigente e a torcida. Leila Pereira, publicamente, defende o trabalho de Alexandre Mattos. Ao mesmo tempo, apoia o Carnaval da Mancha Verde há cinco edições.

Como contrapartida ao investimento em um projeto cultural, os valores entregues pela empresa de Leila Pereira e José Roberto Lamacchia são abatidos nos impostos devidos ao Governo Federal.

Em 2016, o aporte foi de R$ 250 mil. Já a partir de 2017, o incentivo via Lei Rouanet passou a casa do R$ 1 milhão. Em 2018, a Mancha recebeu R$ 2,3 mi, enquanto a quantia chegou aos R$ 2,5 mi no Carnaval deste ano, justamente quando a agremiação ligada à torcida levantou o troféu de maneira inédita.

Em posicionamento enviado à reportagem pela sua assessoria de imprensa, Leila Pereira evitou comentar sobre o embate. "Eu não interfiro em nenhuma situação ou decisão quer do clube ou na escola de samba. Portanto, as opiniões ou as decisões são dos responsáveis. Eu sou conselheira e patrocinadora, e sei das minhas responsabilidades pelas funções que eu ocupo", comentou a patrocinadora palmeirense.

Palmeiras