Topo

Roger fala sobre racismo em coletiva: "Existe porque só eu estou aqui"

Roger Machado, técnico do Bahia, e Marcão, treinador do Fluminense, vestem camiseta do Observatório da Discriminação Racial no Futebol durante partida válida pelo Campeonato Brasileiro - Thiago Ribeiro/AGIF
Roger Machado, técnico do Bahia, e Marcão, treinador do Fluminense, vestem camiseta do Observatório da Discriminação Racial no Futebol durante partida válida pelo Campeonato Brasileiro Imagem: Thiago Ribeiro/AGIF

Do UOL, em São Paulo

12/10/2019 23h35

A partida entre Fluminense e Bahia, realizada hoje (12) no Maracanã, ficou marcada pelo encontro dos dois únicos treinadores negros do Campeonato Brasileiro: Marcão e Roger Machado. Em sua entrevista coletiva após a partida, vencida pelo Fluminense por 2 a 0, o treinador do Bahia falou sobre racismo no Brasil.

"A estrutura social é racista, sempre foi racista. Nós temos um sistema de regras que é estabelecido pelo poder do Estado, das comunicações, da igreja. Quando esses poderes não enxergam ou não querem aceitar e assumir que o racismo existe, que é preciso corrigir esse curso, eles dizem que estamos nos vitimando ou que existe racismo reverso", afirmou Roger após o jogo.

Além de fazer um recorte histórico sobre o racismo no país, ele citou também a ausência de mais treinadores negros na elite do futebol brasileiro. "O preconceito que sofri não foi de injúria racial. O que sofro é quando vou a um restaurante e só tem eu de negro. Fiz uma faculdade onde só eu era negro. As pessoas podem falar que não há racismo porque estou aqui e eu nego: há racismo porque só eu estou aqui", disse.

Tanto Marcão, treinador do Fluminense, quanto Roger Machado vestiram a camisa do Observatório da Discriminação Racial, uma iniciativa que monitora casos de racismo no futebol e propõe ações afirmativas no esporte.

Bahia