Topo

Por Profut, Santos realiza Assembleia para votar mudanças no Estatuto

Marcelo Teixeira e a mesa do Conselho Deliberativo do Santos concedem entrevista coletiva - UOL
Marcelo Teixeira e a mesa do Conselho Deliberativo do Santos concedem entrevista coletiva Imagem: UOL

Eder Traskini

Colaboração para UOL, em Santos

11/10/2019 09h59

Resumo da notícia

  • O Santos convocou uma Assembleia Geral de Sócios para o próximo sábado (19) para votar mudanças em seu Estatuto
  • A Comissão de Estatuto reformulou o documento e o Conselho Deliberativo aprovou algumas mudanças visando se adequar ao Profut
  • O Peixe já foi notificado e, caso não se adeque, corre o risco de ter o parcelamento de dívidas cancelado
  • O Profut prevê também afastamento imediato dos dirigentes que fizerem "gestão temerária"
  • Segunda a legislação, a gestão temerária se dá quando o déficit do clube ultrapassa os 20%
  • O presidente José Carlos Peres teve as contas de 2018 reprovadas com déficit de 26,96%

O Santos realiza no próximo sábado (19) uma Assembleia Geral de Sócios para votar uma modificação no Estatuto Social do clube de forma a adequar às normas do Profut (Programa de Modernização da Gestão de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro). A votação ocorrerá no ginásio da Vila Belmiro, das 10h às 18h.

A Comissão de Estatuto do Santos preparou um documento com inúmeras mudanças para o Estatuto do clube, com intuito de modernizá-lo. No entanto, na Assembleia Geral será votada apenas as mudanças aprovadas pelo Conselho Deliberativo, que dizem respeito ao Profut, Lei que busca garantir responsabilidade fiscal.

"Tivemos duas notificações para fazer essa adaptação, caso contrário, o Santos correria o risco de ter seu parcelamento cancelado junto a entidade. Cabe destacar que queríamos uma mudança para ampliar não apenas as adaptações exigiras, mas queríamos mudar como um todo. Há essa emergência, mas entendemos que diante da exigência e do prazo que temos, nós criamos um cronograma para que o Santos pudesse entregar seu estatuto concluído com essas adaptações. Entendemos que devíamos priorizar as adaptações exigidas. Não estaremos votando as mudanças faladas anteriormente, somente as exigências da Profut. O Santos precisa adaptar. Não estamos fazendo nada que não esteja previsto em lei. Fizemos essas adaptações e o plenário aprovou com unanimidade", explicou o presidente do Conselho Deliberativo Marcelo Teixeira em entrevista coletiva hoje.

O associado poderá conferir detalhadamente as mudanças relacionadas ao Profut no site oficial do clube. A lei prevê o afastamento imediato dos dirigentes caso seja constatada gestão temerária.

O presidente José Carlos Peres teve as contas do exercício de 2018 reprovadas pelo Conselho Deliberativo e o déficit pode se enquadrar na gestão temerária. Segundo a legislação, em seu artigo 4º, os clubes precisam diminuir o déficit anual a um máximo de 10% da receita bruta, mas o Peixe somou 26,96%. A lei do Profut, em seu artigo 25º, classifica um déficit acima de 20% como gestão temerária.

Santos